Meteorologia

  • 19 JULHO 2019
Tempo
24º
MIN 20º MÁX 28º

Edição

Apoiantes de Maduro protestam em Caracas contra relatório de comissária

Milhares de apoiantes do presidente Nicolas Maduro manifestaram-se hoje em Caracas para protestar contra o relatório da Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, que denunciou a "erosão do Estado de Direito" na Venezuela.

Apoiantes de Maduro protestam em Caracas contra relatório de comissária
Notícias ao Minuto

23:35 - 13/07/19 por Lusa

Mundo ONU

A ex-presidente do Chile visitou a Venezuela entre 19 e 21 de junho e divulgou um relatório denunciando os abusos cometidos neste país em crise, incluindo relatos de milhares de pessoas mortas pelas forças de segurança.

"O povo venezuelano está a mobilizar-se para demonstrar a sua enérgica rejeição de mentiras e manipulações", disse hoje o presidente Maduro, na sua conta no Twitter. Maduro não participou na manifestação em Caracas.

Autoridades, militantes e membros das milícias pró-Maduro, todos vestidos de vermelho, da cor do Chavismo, marcharam pelo centro de Caracas sob chuva, antes da manifestação se dispersar.

O número dois do regime, Diosdado Cabello, acusou Bachelet de ter feito um relatório "completamente parcial", sob pressão dos Estados Unidos.

"O relatório de Bachelet é uma traição" aos venezuelanos, considerou.

Além da luta política entre o líder socialista e o líder da oposição, Juan Guaidó, a Venezuela, o país com as maiores reservas de petróleo do mundo, atravessa a pior crise económica da sua história recente.

O protesto ocorreu poucos dias depois do acordo alcançado em Barbados entre o Governo e a oposição para o estabelecimento de uma plataforma permanente para o diálogo. Estes contactos foram conduzidos sob os auspícios da Noruega.

Na sexta-feira, a Venezuela utilizou também o Conselho de Direitos Humanos da ONU - no último dia de três semanas de sessões - para atacar o relatório crítico sobre a Venezuela apresentado pela Alta Comissária Michelle Bachelet neste organismo.

As acusações foram lidas pelo embaixador da Venezuela, Jorge Valero, e incluíam excertos de uma carta dirigida pelo próprio Presidente, Nicolás Maduro, a Bachelet, a quem acusa de "não ter escutado a Venezuela" e de ter recolhido apenas informação transmitida por interesses contrários ao país.

"Pode-se falar de 'crise humanitária' quando o Governo dos Estados Unidos despojou a Venezuela de 30 mil milhões de dólares dos seus ativos petrolíferos no estrangeiro e bloqueou e confiscou mais de sete mil milhões de dólares para a compra de alimentos e medicamentos?", questionou Maduro na missiva.

O relatório elaborado pelo gabinete de Bachelet na semana passada, além de abordar a crise social e económica na Venezuela, aponta também diversas infrações aos direitos civis e políticos. O texto menciona em particular a "repressão e criminalização da oposição política" através de numerosas ações, assim como torturas e milhares de casos de execuções extrajudiciais.

Na sua carta, Maduro refere "um relatório repleto de falsas informações, tergiversações e manipulações no uso de dados e de fontes; ausente de equilíbrio e rigor, abertamente parcializado".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório