Meteorologia

  • 23 JULHO 2019
Tempo
26º
MIN 22º MÁX 30º

Edição

Novo ministro conta com Portugal para "refundar ou reabilitar" a educação

O novo ministro da Educação da Guiné-Bissau, Dautarim da Costa, disse à Lusa que conta com Portugal para a "refundação ou reabilitação" do sistema educativo do país, que considerou estar num processo acelerado de degeneração.

Novo ministro conta com Portugal para "refundar ou reabilitar" a educação

Formado em Sociologia no ISCTE, em Lisboa, Dautarim da Costa, 38 anos, antevê uma relação estreita com Portugal, tendo em conta as semelhanças entre os sistemas do ensino dos dois países e também o interesse comum que os dois estados têm no desenvolvimento da língua portuguesa.

"Tem a questão da língua portuguesa, o nosso sistema é muito parecido ao sistema português, nós conseguimos comunicar, naquilo que são as dinâmicas do sistema educativo, de uma forma muito facilitada com o sistema português", observou o ministro guineense.

Dautarim da Costa, até aqui quadro sénior das Aldeias SOS na Guiné-Bissau, disse à Lusa constatar a existência de "uma predisposição natural" entre a Guiné-Bissau e Portugal, devido aos interesses dos dois países em almejar o desenvolvimento dos seus povos.

"Creio que Portugal vai ser um parceiro importante. Agora nós é que temos que ter a capacidade, a nível do ministério, de conceber as oportunidades, conceber ideias que possam gerar as oportunidades que nós precisamos", sublinhou Dautarim da Costa.

Entre as áreas que poderão merecer destaque na cooperação imediata com Portugal, o governante guineense apontou a gestão e administração do sistema educativo, melhorias na prática pedagógica, monitorização e avaliação do sistema, tudo na perspetiva de refundação ou de reabilitação do próprio sistema, defendeu.

Dautarim da Costa considera que, tal como Portugal, vários parceiros estão dispostos a apoiar a Guiné-Bissau, a questão, frisa, é que o próprio país é que não tem sabido conceber políticas e estratégias de atração e absorção de apoios disponíveis.

"Às vezes, falta é a capacidade de coordenarmos e articularmos as oportunidades que vão surgindo", declarou o ministro, salientando ser crucial que os parceiros tenham a noção de que os guineenses "sabem exatamente o que querem".

Em relação ao funcionamento imediato do sistema educativo, Dautarim da Costa elege como prioridade "a salvação do ano letivo", na sequência de várias greves dos professores, situação que tem dificultado o cumprimento integral dos conteúdos programados para os alunos.

Devido às greves, dos 180 dias letivos previstos, os alunos das escolas públicas apenas tiveram, efetivamente, cerca de 70 dias de aulas.

O plano de salvação do ano consiste em identificação dos conteúdos essenciais de cada disciplina, garantir a sua implementação, aferir como foram administrados e desta forma proceder à avaliação final dos alunos, declarou Dautarim da Costa.

Tudo isso terá que ser feito sem pôr em causa o próximo ano letivo, que o ministro pretende que comece antes do mês de outubro.

A outra missão imediata, disse o ministro, é estabelecimento de "outra forma de relacionamento" com os sindicatos dos professores.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório