Meteorologia

  • 25 JUNHO 2019
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Ataques contra petroleiros: Irão fala em "comportamento maligno" dos EUA

O Governo do Irão "rejeita categoricamente" a alegação dos Estados Unidos de que foi responsável pelos ataques de quinta-feira contra petroleiros no mar de Omã, incidentes que condena "com a maior veemência possível".

Ataques contra petroleiros: Irão fala em "comportamento maligno" dos EUA
Notícias ao Minuto

02:22 - 14/06/19 por Lusa

Mundo Golfo de Omã

"O Irão está pronto para desempenhar um papel ativo e construtivo em garantir a segurança das passagens marítimas estratégicas, bem como promover a paz, a estabilidade e a segurança na região", declarou o Governo iraniano.

A mesma nota alerta para a "coerção, intimidação e comportamento maligno" de Washington, em resposta à declaração do embaixador em exercício dos EUA na ONU, Jonathan Cohen, após uma reunião à porta fechada do Conselho de Segurança para analisar os ataques.

A pedido de Mike Pompeo, chefe da diplomacia norte-americana, Jonathan Cohen declarou à imprensa que os EUA avaliam os ataques de quinta-feira como "mais um exemplo das atividades desestabilizadoras do Irão na região".

"Acusar o Irão de acidentes suspeitos e infelizes envolvendo petroleiros é aparentemente a coisa mais fácil para [Mike] Pompeo [chefe da diplomacia norte-americana] e para as autoridades norte-americanas", declarou o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Abbas Moussavi, em comunicado.

O governo iraniano acusa ainda Washington de "sabotagem diplomática". "O facto dos Estados Unidos aproveitarem imediatamente a oportunidade para lançar alegações contra o Irão, [sem] provas fundamentadas ou circunstanciais, prova que [Washington e os seus aliados árabes] passaram para o plano B: o de sabotagem diplomática", escreveu na rede social Twitter o chefe da diplomacia iraniana, Mohammad Javad Zarif.

Dois petroleiros, norueguês e japonês, foram na quinta-feira alvo de um ataque no mar de Omã, em pleno Golfo, uma região já sob tensão devido à crise entre os Estados Unidos e o Irão. A tripulação do navio japonês atacado em Omã diz ter visto um "objeto no ar".

No mesmo dia, Mohammad Javad Zarif considerou suspeito os ataques terem coincidido com a visita histórica do primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, ao Irão.

"A palavra suspeita não é suficiente para descrever" esses "ataques" contra dois petroleiros "ligados ao Japão que ocorreram enquanto o primeiro-ministro [japonês] se reunia" com o líder supremo iraniano em Teerão", escreveu no Twitter.

A visita de Abe é a primeira de um chefe de Governo japonês desde a revolução islâmica de 1979 e a primeira de um líder de um país do G7 desde que o Presidente norte-americano, Donald Trump, anunciou o abandono dos EUA do acordo nuclear.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório