Meteorologia

  • 22 MAIO 2019
Tempo
21º
MIN 19º MÁX 22º

Edição

Adiamento do Brexit adia o risco, mas não resolve o problema

O adiamento do Brexit até 31 de outubro é "positivo" porque elimina o risco de uma saída sem acordo, embora não resolva a situação, afirmou hoje a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde.

Adiamento do Brexit adia o risco, mas não resolve o problema
Notícias ao Minuto

16:58 - 11/04/19 por Lusa

Mundo Christine Lagarde

"(O adiamento) elimina o risco de um Brexit sem acordo a 12 de abril, que era uma das opções. (...) Um Brexit sem acordo teria um resultado terrível", disse Lagarde na conferência de imprensa de abertura da Assembleia de Primavera do FMI e do Banco Mundial, que se realiza em Washington.

A responsável máxima do FMI sublinhou que o adiamento hoje acordado "não resolve a situação, apenas adia" a solução, mas pelo menos oferece às partes "mais tempo para continuar com as discussões".

O FMI baixou na quarta-feira as suas previsões de crescimento económico neste ano do Reino Unido para 1,2% e para 1,4% no próximo ano, argumentando que a incerteza criada pelo Brexit é um dos fatores que pesam sobre a economia global.

Os 27 países que permanecerão na União Europeia (UE) depois da saída do Reino Unido acordaram conceder a Londres um prolongamento das negociações do Brexit até ao próximo dia 31 de outubro, ficando a meio caminho entre uma curta extensão do prazo, defendida pela França, e uma mais longa, vista com bons olhos pela Alemanha.

Depois de uma cimeira extraordinária concluída de madrugada, depois de várias horas de discussão, os 27 chegaram a um novo calendário para o Brexit, mas também a obrigação de uma avaliação intermédia a meio do processo, ou seja, em junho.

O mandato da atual Comissão Europeia também termina a 31 de outubro, o que significa que Londres não irá eleger novo comissário europeu.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, tinha pedido um prolongamento do prazo até 30 de junho, enquanto o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, apostava num adiamento maior, admitindo chegar a um ano.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório