Meteorologia

  • 20 JUNHO 2019
Tempo
17º
MIN 15º MÁX 18º

Edição

Tribunal chinês ordena novo julgamento de canadiano já condenado

Um tribunal superior chinês ordenou hoje que se repita o julgamento do canadiano Robert Lloyd Schellenberg, acusado de tráfico de droga, por considerar demasiado leve a pena de quinze anos de prisão imposta no sábado.

Tribunal chinês ordena novo julgamento de canadiano já condenado
Notícias ao Minuto

11:21 - 30/12/18 por Lusa

Mundo Tensão

A decisão ameaça amplificar as tensões entre Pequim e Otava, após a detenção pelas autoridades canadianas, no início deste mês, da diretora financeira da gigante chinesa das telecomunicações Huawei, Meng Wanzhou.

Schellenberg foi condenado a 15 anos de prisão pelo Tribunal Popular de Dalian, nordeste do país, no sábado, mas o Tribunal Popular Superior da província de Liaoning considerou a pena "incorreta".

"As provas sugerem que Schellenberg esteve provavelmente envolvido no tráfico internacional de drogas e que desempenhava um papel chave no tráfico de narcóticos", afirmou a mesma fonte, no serviço noticioso oficial do judiciário chinês.

Segundo o Código Penal chinês, o tráfico, importação, transporte ou fabrico de ópio, numa quantidade superior a um quilo, ou de 50 gramas de heroína e outros narcóticos, pode ser punido com pena de morte ou prisão perpétua.

Considerada um "demónio social", a droga está associada ao chamado de "século de humilhação nacional", iniciado com a derrota da China na "Guerra do Ópio" (1839-42).

Em dezembro de 2009, a China executou o britânico Akmal Shaikh, apanhado com mais de quatro quilos de heroína.

Robert Lloyd Schellenberg foi detido em 2014 e julgado em 2016. Após recorrer da sentença, o canadiano compareceu em tribunal no sábado, com as autoridades chinesas a convidar vários órgãos de comunicação estrangeiros a estarem presentes, numa decisão rara.

O jornal Wall Street Journal, que citou declarações durante o julgamento, escreveu que Schellenberg é acusado de tentar transportar 222 quilos de metanfetaminas de Dalian para a Austrália.

Meng Wanzhou foi detida em Vancouver, a pedido dos Estados Unidos, por suspeita de que a Huawei tenha exportado produtos de origem norte-americana para o Irão e outros países visados pelas sanções de Washington, violando as suas leis.

Após terem ameaçado o Canadá com "graves consequências", caso não libertasse Meng, as autoridades chinesas detiveram Michael Kovrig, antigo diplomata do Canadá, e Michael Spavor, empresário que organiza viagens turísticas e eventos desportivos na Coreia do Norte, ambos acusados de "prejudicarem a segurança nacional da China".

Na semana passada, a China confirmou a detenção de uma professora canadiana, no terceiro caso do género, por "trabalhar ilegalmente" no país.

Meng foi, entretanto, libertada sob fiança por um tribunal canadiano.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório