Meteorologia

  • 25 FEVEREIRO 2024
Tempo
14º
MIN 13º MÁX 18º

Aumentar a esperança média de vida de pessoas com demência? Saiba como

Estudo português traz nova esperança.

Aumentar a esperança média de vida de pessoas com demência? Saiba como
Notícias ao Minuto

22:01 - 01/10/23 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Doenças neurodegenerativas

Um novo estudo científico português, desenvolvido por investigadores da Egas Moniz School of Health & Science e do Hospital Garcia de Orta, concluiu que o investimento na nutrição e o suporte familiar podem aumentar a esperança média de vida de pessoas com demência grave. Os dados do estudo 'Nutrition and Outcome of 100 Endoscopic Gastrostomy-Fed Citizens with Severe Dementia', foram publicados pela revista Nutrients.

Esta equipa, liderada pelo professor Jorge Fonseca e pelo mestre Diogo Sousa-Catita, estudou 100 doentes consecutivos com critérios de demência grave, que integraram um programa de suporte nutricional especializado através de gastrostomia endoscópica. A condição para um doente integrar este programa era manter uma relação afetiva rica e estável com familiares e cuidadores. No início, este grupo de doentes apresentava baixo peso e parâmetros nutricionais fracos, mas muitos recuperaram o peso e a sobrevivência média do grupo foi de 28 meses, quase dois anos e meio - muito acima dos dois ou três meses divulgados em estudos prévios.

Leia Também: Risco de demência é superior para pessoas com estas profissões

Jorge Fonseca, professor na Egas Moniz School of Health & Science, indica em comunicado que "vários doentes foram acompanhados durante quatro a cinco anos neste processo, o que revela a importância deste suporte familiar e de cuidadores e que é possível aumentar a esperança média de vida destes doentes". "Geralmente, a visão clínica tradicional considera que as pessoas com demência grave ou avançada têm uma esperança de sobrevivência muito reduzida, contudo esta investigação mostra que é possível contrariar essa tendência e melhorar estes prognósticos."

O estudo tem como objetivo alertar a comunidade científica de que é possível contribuir para uma melhor qualidade de vida destes doentes e que o recurso a tratamentos alternativos pode ter um impacto significativo na vida dos mesmos.

Leia Também: Cerca de 70% dos casos de demência são provocados por esta doença temida

Recorde-se que demência é um termo genérico utilizado para designar um conjunto de doenças, como o Alzheimer - segundo a rede de saúde CUF, representa cerca de dois terços de todos os casos - que se caracterizam por alterações cognitivas que podem estar associadas a perda de memória, alterações da linguagem e desorientação no tempo ou no espaço. 

A Organização Mundial da Saúde estima que existam 47.5 milhões de pessoas com demência em todo o mundo e prevê que este número possa chegar aos 75.6 milhões em 2030 e quase triplicar em 2050, para 135.5 milhões. 

Leia Também: Os sinais de demência que surgem até 14 anos antes do diagnóstico

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório