Meteorologia

  • 22 JANEIRO 2018
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 13º

Edição

BCE deverá manter taxas. Investidores esperam "ligeiras revisões em alta"

O Banco Central Europeu (BCE) deverá hoje manter as taxas de juro de referência para a zona euro, mas os investidores aguardam que a instituição divulgue as suas previsões macroeconómicas, segundo referiram analistas contactados pela agência Lusa.

BCE deverá manter taxas. Investidores esperam "ligeiras revisões em alta"
Notícias ao Minuto

05:38 - 14/12/17 por Lusa

Economia Zona euro

A reunião de política monetária do BCE de hoje, a última do ano, realiza-se na sede da instituição, em Frankfurt, e é seguida da habitual conferência de imprensa de Mario Draghi.

Para o economista-chefe do Montepio, Rui Bernardes Serra, tendo anunciado na sua última reunião que continuaria o seu programa de compra de ativos a um ritmo mensal de 30 mil milhões de euros por mês de janeiro a setembro de 2018, o BCE não deverá apresentar novas mudanças na política monetária.

O foco da reunião deverá estar na atualização das previsões do BCE, considera o especialista. "Esperamos ligeiras revisões, em alta, das projeções de crescimento do PIB para 2017 e 2018. E, apesar de alguns dados de inflação um pouco fracos para novembro, esperamos uma revisão, em alta moderada, na previsão da inflação para 2018, sobretudo devido aos atuais preços mais elevados do petróleo nos mercados de futuros, comparativamente com o que se verificava há três meses", refere.

O economista do Banco Carregosa Rui Bárbara também não espera novidades da reunião: "Creio estar mais ou menos estabilizado o caminho que vai levar ao fim do 'Quantitative Easing' no final de 2018 e, por isso, é ainda muito cedo para começar a falar do que vai acontecer a partir daí. Esperamos que 2019 seja o ano em que os juros comecem a subir, o que seria um sinal de que a economia europeia mantinha a tendência de crescimento e que a economia global se mantinha estabilizada".

Na mesma linha, o gestor da corretora XTB Eduardo Silva diz que a expectativa em torno da próxima reunião de política monetária é baixa.

"Na última reunião, o anúncio da redução do programa de dívida reuniu amplo consenso no banco central, no entanto alguns membros tiveram dificuldade em aceitar alguma 'flexibilidade' em alguns pontos", disse.

A evolução da inflação, na opinião de Eduardo Silva, não permite para já o anúncio de uma data para o fim do programa, até porque foi mencionado que o programa pode aumentar se os dados não evoluírem de forma favorável e esta prudência do banco central "deixou alguns membros menos satisfeitos".

No passado dia 26 de outubro, o BCE decidiu reduzir os estímulos monetários na zona euro para metade (de 60 mil milhões de euros mensais para 30 mil milhões de euros) e manteve as taxas de juro, com a principal taxa de refinanciamento a permanecer em 0%.

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório