Meteorologia

  • 24 JANEIRO 2021
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Mais de 1.000 técnicos de som, imagem e luz podem ficar sem emprego

Mais de 1.000 técnicos de som, imagem, luz, entre outros profissionais, deverão ficar sem emprego ou serão obrigados a mudar de profissão devido às limitações impostas pelo Governo em eventos como a passagem do ano, estima a APSTE.

Mais de 1.000 técnicos de som, imagem e luz podem ficar sem emprego
Notícias ao Minuto

20:04 - 03/12/20 por Lusa

Economia Covid-19

Em comunicado divulgado hoje, a Associação Portuguesa de Serviços Técnicos para Eventos (APSTE) estima que "mais de 1.000 técnicos de som, imagem, luz, entre outros, se vejam obrigados a ir para o desemprego ou a mudar de profissão devido as últimas decisões tomadas pelo executivo liderado por António Costa, nomeadamente a limitação dos eventos corporativos a um máximo de cinco pessoas e a proibição de eventos para celebrar a passagem de ano".

"Este foi um ano terrível para todos os que trabalham neste setor, independentemente da sua natureza, e estas últimas medidas anunciadas pelo Governo apenas vieram colocar mais um prego no caixão", considera a associação.

Para o presidente da APSTE, Pedro Magalhães, a limitação dos eventos corporativos, "que ainda asseguravam algum do pouco trabalho existente" e a proibição de qualquer celebração de passagem de ano significarão "a falência certa para muitas empresas e o desemprego para muitos profissionais".

"É importante não esquecer que um técnico demora cerca de dois anos a estar apto a trabalhar nesta área", sublinha Pedro Magalhães, adiantando que tratar-se de profissionais "altamente especializados que, perante a inevitabilidade do desemprego, não têm outra alternativa a não ser mudar de profissão".

A APSTE critica ainda o que considera ser "a postura populista da tutela" ao apresentar medidas como a suspensão do pagamento especial por conta.

"Não estamos contra a medida em si, nada disso. Mas é incrível como se anuncia algo que nenhum benefício direto trará às empresas de setores profundamente afetados pela pandemia como se de algo muito positivo se tratasse", defende o presidente da associação.

"Esta medida teria sentido se tivéssemos lucros para apresentar, a questão é que este ano apenas registámos prejuízos", conclui o responsável.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhores dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório