Meteorologia

  • 18 AGOSTO 2019
Tempo
20º
MIN 19º MÁX 20º

Edição

Cabral dos Santos: Queda do grupo Fino deveu-se ao investimento no BCP

O ex-diretor de grandes empresas da Caixa Geral de Depósitos (CGD) José Pedro Cabral dos Santos defendeu hoje que a queda da Investifino, grupo empresarial de Manuel Fino, se deveu ao investimento no BCP.

Cabral dos Santos: Queda do grupo Fino deveu-se ao investimento no BCP

"Apesar da grande consideração pessoal que tenho relativamente às pessoas da família do senhor Manuel Fino, ao contrário do que disse o senhor José Fino [filho de Manuel Fino] sobre as causas da situação em que o grupo ficou, a causa, para mim [...] foi o grupo ter investido no BCP", disse hoje José Pedro Cabral dos Santos no parlamento.

O ex-diretor de grandes empresas do banco público falava hoje na sua segunda audição na comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD.

Cabral dos Santos considerou ainda que, "se a Caixa Geral de Depósitos, em termos de apoio às participações financeiras do grupo Investifino, apenas tivesse apoiado o investimento na Cimpor, não teria havido problema absolutamente nenhum".

O ex-responsável do banco público disse ainda que a CGD não requereu a insolvência da Investifino porque "a Caixa não beneficiaria significativamente e prejudicaria imenso a construtora Soares da Costa".

"A razão por que não o fizemos foi porque a Investifino era o principal acionista da Soares da Costa. A Soares da Costa era uma empresa de construção que não estava a passar pelos seus melhores dias", lembrou José Pedro Cabral dos Santos, salientando o "nível de emprego bastante grande" que a construtora proporcionava.

Em 14 de maio, o administrador executivo da Investifino José Manuel Fino, filho de Manuel Fino, disse hoje no parlamento que a venda das ações da Cimpor pela Caixa Geral de Depósitos (CGD) levou ao incumprimento do serviço de dívida.

A forma "totalmente imprevista e inusitada" como a CGD "decidiu imediatamente vender" ações da Cimpor em consequência da OPA da Camargo Corrêa, "apesar do preço baixo oferecido", não permitiu à Investifino cumprir os seus compromissos com o banco público, disse José Manuel Fino durante a sua audição na comissão parlamentar de inquérito à CGD.

"Caso tivesse mantido essa possibilidade [de recompra das ações da Cimpor, negociada com a CGD], a Investifino teria reduzido a sua exposição à Caixa em pelo menos 50 milhões de euros", defendeu então José Manuel Fino no parlamento.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório