Meteorologia

  • 08 DEZEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 12º MÁX 17º

Edição

Berardo era "cliente especial e à margem das regras" da CGD

O antigo presidente do conselho fiscal da Caixa Geral de Depósitos (CGD) Eduardo Paz Ferreira sugeriu hoje que o empresário Joe Berardo era um "cliente especial e à margem das regras" no banco.

Berardo era "cliente especial e à margem das regras" da CGD
Notícias ao Minuto

23:23 - 03/04/19 por Lusa

Economia Berardo

"Seguramente que a generalidade das pessoas que está nesta sala tem a perceção que Berardo é um cliente totalmente especial e à margem das regras na Caixa", disse Eduardo Paz Ferreira durante a sua audição na segunda comissão parlamentar de inquérito à recapitalização e gestão da CGD, na Assembleia da República, em Lisboa.

O também ex-presidente do conselho de auditoria da CGD (2011-2015) contou ainda um episódio de uma reunião em que perguntou a um ex-administrador executivo do banco, responsável por operações envolvendo Joe Berardo, se o empresário era "tratado na Caixa como qualquer outro cliente".

"Não, isso eu não posso dizer", terá respondido o ex-administrador.

Perante a relutância de Eduardo Paz Ferreira em nomear o administrador presente na reunião, a deputada do BE Mariana Mortágua afirmou tratar-se de José Pedro Cabral dos Santos, conforme consultado em ata.

Nessa reunião, sobre as operações que envolviam Joe Berardo, o administrador executivo começou por ficar "ofendidíssimo por ter sido convocado por uma comissão de auditoria", tendo conduzido a reunião "de uma forma muito irritada, muito tensa", de acordo com Eduardo Paz Ferreira.

Mais tarde, em resposta a Ana Rita Bessa, do CDS-PP, que mencionou os empréstimos de 50 milhões de euros à Metalgest e de 350 milhões a Berardo, Eduardo Paz Ferreira declarou que a linha de ideias da comissão de auditoria era "livrar-se" dos créditos ruinosos "o mais depressa possível".

Paralelamente, o anterior responsável da Caixa referiu que um aval pessoal dado por Joe Berardo "tem sido difícil de encontrar", especificando que se referia ao documento "em papel".

O antigo responsável da CGD adiantou que à medida que as ações do BCP iam caindo, ações essas adquiridas por Berardo com dinheiro emprestado pelo banco público, insistiu "sucessivamente para que se executassem" as garantias, tendo a resposta da comissão executiva da Caixa sido que iria estudar a hipótese "juridicamente".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório