Meteorologia

  • 26 SETEMBRO 2021
Tempo
23º
MIN 14º MÁX 24º

Edição

Artistas questionam no Polo da Santa Casa "a beleza que há em cada outro"

Obras de Fernanda Fragateiro e André Guedes, entre outros artistas portugueses contemporâneos, fazem parte da exposição "O Outro como epifania do belo", que abre na sexta-feira, no Polo Cultural de São Roque, em Lisboa.

Artistas questionam no Polo da Santa Casa "a beleza que há em cada outro"
Notícias ao Minuto

20:45 - 24/06/21 por Lusa

Cultura Lisboa

A exposição vai estar patente neste polo da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa (SCML), até 05 de setembro, conjugando espaços da Igreja e do Museu de São Roque, do Arquivo Histórico, da Brotéria, e estendendo-se ainda ao Convento de São Pedro de Alcântara

Esta mostra é uma tentativa de "interrogar artistas e públicos sobre a beleza que há em cada outro, seja ele quem for, e faz eco das práticas herdadas dos autores que instigaram a subversão da obra de arte, arriscando-a como ferramenta de partilha comunitária, sem deixar de ser um veículo de intimidade", lê-se na apresentação da SCML, que destaca ao mesmo tempo a exposição como "resposta ao apelo da hospitalidade enquanto desígnio para uma cultura do outro".

A mostra inclui ainda obras de Pedro A.H. Paixão e Joana Craveiro, às quais se juntam peças do coletivo Manicómio, com curadoria de Sandro Resende, "e a reapresentação ao público de Rui Pimentel (1949-2015)", com curadoria de Nuno Malheiro Sarmento.

As obras apresentadas "pretendem ligar-se ao pulsar geracional de um certo idealismo pragmático, em cujas leituras se pretende inserir a hospitalidade como casa de saída, no percurso que procura trazer o outro à experiência partilhada", refere a SCML.

A exposição, em parceria com a Galeria Brotéria, promove, na primeira quinzena de julho, um ciclo de conversas com os artistas e outros convidados.

Sobre a exposição, a mesma fonte destaca a peça "Gesto essencial", de Fernanda Fragateiro, como "uma obra que quer revelar 'uma operação onde o ato de adicionar é indissociável do ato de subtrair', considerando, no Largo Trindade Coelho, 'a necessidade de esvaziar antes de voltar a preencher, como forma de dar lugar ao outro'".

Outra peça, "A Sagração da Água", desenho e instalação sonora de Pedro A.H. Paixão, patente na igreja de São Roque, foi "feita em Milão, no rescaldo de um severo período de confinamento, e propõe uma meditação delicada que nos resgata da estranha realidade que atravessamos".

Sandro Resende apresenta obras de Anabela Soares, Cláudia R. Sampaio, Joana Ramalho, Micaela Fikoff e Pedro Ventura, artistas do "Manicómio", que expõem no Museu de São Roque, "numa aproximação à inversão das hierarquias de validação do meio artístico".

"Dentro do Arquivo", de Joana Craveiro, patente no Arquivo Histórico e Biblioteca da SCML, "pode situar-se como uma passagem efémera pela memória de uma instituição que pontua e marca no tempo o percurso agora proposto", lê-se na apresentação.

Outra peça referenciada é "Encontro - 13 junho 2021", de André Guedes, no Centro na Brotéria. "Trata um protocolo ficcional e artístico para intersetar a realidade concreta de uma comunidade residente com uma coletividade alargada".

Com curadoria de Nuno Malheiro Sarmento, a reapresentação ao público de Rui Pimentel, está patente no Convento de São Pedro de Alcântara, de onde há cerca de um ano saíram as últimas freiras da Província Portuguesa da Congregação da Apresentação de Maria. O espaço "afirma-se no gesto de hospitalidade para com uma obra cujo volume e densidade justificam por si a exposição de inéditos deste pintor sem descendentes".

Entre as atividades previstas, a SCML adianta que o livro "Em Tudo Havia Beleza" (2020), do escritor espanhol Manuel Vilas, "vai estar em reflexão num Clube de Leitura", moderado pelo jornalista Carlos Vaz Marques.

Segundo a mesma fonte, "para setembro está prevista uma 'finissage', no largo Trindade Coelho [ao Bairro Alto, em Lisboa], onde vai ser lançado o catálogo da exposição, com contributos de João Pinharanda [historiador de arte] e Alain Thomasset [teólogo], e a apresentação do trabalho de Rita RA, artista residente da Brotéria que, durante estes meses, está a construir o diário de bordo da exposição".

Leia Também: Racismo em discussão a partir de um filme de Graça Castanheira

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório