Meteorologia

  • 24 MAIO 2019
Tempo
17º
MIN 16º MÁX 18º

Edição

Teatro do Vestido conta repôr peça 'Elas estiveram lá' no Cinema S. Jorge

O Teatro do Vestido conta repor, em 2020, a peça 'Elas também estiveram lá', no Cinema S. Jorge, em Lisboa, onde foi estreada em 2018, e se manteve sempre esgotada, revelou hoje à agência Lusa a diretora artística da companhia.

Teatro do Vestido conta repôr peça 'Elas estiveram lá' no Cinema S. Jorge
Notícias ao Minuto

18:50 - 05/04/19 por Lusa

Cultura 2020

Estreada em abril do ano passado, no âmbito da iniciativa 'Abril em Lisboa', a peça resgatava memórias de mulheres durante a ditadura e a sua queda, de quotidianos de resistência e da revolução, percorrendo um itinerário que começava na avenida da Liberdade e terminava na antiga 'Sala da Censura' do Cinema S. Jorge.

'Elas também estiveram lá' é "uma reflexão sobre a condição feminina nas últimas décadas" que "falava de histórias de que ninguém fala", como o definiu, na altura da estreia, a diretora artística do Teatro do Vestido, Joana Craveiro.

E porque o espetáculo foi concebido, de propósito, para aquele percurso entre a avenida da Liberdade e a antiga "Sala da Censura" do S. Jorge, o Teatro do Vestido está a tentar, junto da Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, empresa municipal que gere o S. Jorge, repô-lo no mesmo local, no próximo ano, indicou.

'Elas também estiveram lá - Quotidianos de resistência e de revolução de mulheres' foi uma das peças nomeadas pela Sociedade Portuguesa de Autores (SPA) para os Prémios Autores 2019, na categoria de Melhor Texto Português Representado.

Questionada pela Lusa sobre o facto de os espetáculos da companhia que dirige terem quase sempre sessões esgotadas e, muitas vezes, serem de difícil acesso a um público mais alargado, Joana Craveiro atribuiu responsabilidades "à programação das salas e não à lotação das mesmas, nem às companhias".

"A responsabilidade não é das companhias nem da lotação das salas", referiu, sustentando tratar-se de um problema "decorrente da programação das salas, que deviam projetar temporadas maiores".

"Desde a nossa génese como companhia [2001], sempre trabalhámos com limitações de público", disse, frisado, porém, que o Teatro do Vestido "sempre procurou uma relação privilegiada com o público", razão pela qual não gosta de plateias com lotação superior a 100 pessoas.

A questão da limitação de lugares "não está na nossa opção artística". "O problema é que os criadores estão à mercê de uma prática que reduz bastante o tempo em que os espetáculos podem estar em cena", o que "acaba por ser frustrante" para quem desenvolve "trabalho durante meses a fio e depois leva espetáculos à cena entre duas e nove vezes", observou.

"Quando comecei a fazer teatro ficávamos, no mínimo, um mês em cena, e não estou a falar de um tempo assim tão distante", disse Joana Craveiro à Lusa, admitindo, contudo, que continua a defender a existência de "um público participativo e esforçado para ir aos espetáculos e para arranjar bilhetes".

"Mas para o ano vamos repor muita coisa. Será o ano das reposições, espero", concluiu.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório