Meteorologia

  • 28 JUNHO 2017
Tempo
24º
MIN 21º MÁX 25º

Edição

Ações do BCP lideram ganhos e sobem quase 10%

As ações do BCP estavam hoje ao princípio da tarde a liderarem os ganhos e a subirem 9,62% para 0,0171 euros.

Ações do BCP lideram ganhos e sobem quase 10%
Notícias ao Minuto

13:44 - 18/10/16 por Lusa

Economia Mercados

Cerca das 13:30 em Lisboa, o principal índice da bolsa portuguesa, o PSI20, também estava em alta, a subir 1,55% para 4.670,86 pontos.

Nos últimos seis meses, os 'papéis' do BCP oscilaram entre o mínimo de 0,146 euros em 23 de setembro e o máximo de 0,408 euros em 25 de abril.

Na segunda-feira, o Banco Comercial Português (BCP) convocou uma assembleia-geral para 09 de novembro com os principais acionistas a proporem a subida dos limites de voto para 30%, quando a chinesa Fosun negoceia a entrada no capital do banco.

Em comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), o BCP convoca os acionistas para uma reunião para as 14:30 (hora de Lisboa) de 09 de novembro no Taguspark, em Oeiras, com quatro pontos na ordem de trabalhos.

O primeiro ponto põe à consideração dos acionistas a manutenção ou fim dos limites à contagem de votos, que consta dos estatutos do BCP e que faz com que qualquer acionista esteja atualmente impedido de votar com mais de 20%, independentemente da participação que detenha no banco.

Caso se mantenham os limites de voto, os acionistas serão ainda chamados a decidir se o limite a aplicar se mantém nos 20% ou se será alterado para 30%.

Nos documentos que acompanham a convocatória, os quatro principais acionistas do BCP -- petrolífera angolana Sonangol (17,84% do capital social), banco espanhol Sabadell (5,07%), Grupo EDP (2,56%) e Grupo Interoceânico (2,05%) -- consideram que é "de manifesto interesse social que o banco possa continuar a dispor, como tem sucedido há mais de 20 anos, de uma cláusula de limitação de contagem de votos que propicie proteção e maior equilíbrio das várias posições acionistas".

No entanto, dizem também ser "aconselhável" o ajustamento do valor de limite atual "tendo nomeadamente em conta as presentes perspetivas, já publicamente divulgadas, de recomposição da estrutura acionista do banco".

Assim, estes quatro acionistas propõem que o limite de votos se mantenha, mas que se alterem os estatutos para que, em vez de 20%, não sejam "contados os votos emitidos por um acionista, diretamente ou por representante, que excedam 30% dos votos correspondentes ao capital social".

O grupo chinês Fosun (que já tem em Portugal a Luz Saúde e a seguradora Fidelidade) tem estado há alguns meses em negociações para vir a ser acionista do Millennium BCP, sendo que a informação divulgada refere que poderá vir a ficar com uma posição de 16,7% do banco, que poderá aumentar para entre 20% e 30%, consoante os limites de voto existentes no banco.

A deliberação pelos acionistas do BCP sobre a manutenção ou fim dos limites de voto é obrigatória ser feita até final do ano, sob pena de caducar esta regra dos estatutos, depois de em abril o Governo ter publicado uma lei (que entrou em vigor a 01 de julho) para facilitar esse processo, no auge do confronto no BPI entre os acionistas Caixabank e Santoro (de Isabel dos Santos).

A assembleia-geral do BCP de 09 de novembro também vai levar a votação uma proposta do Conselho de Administração para o alargamento do número de membros deste órgão de 20 para 25, mas remetendo para uma outra reunião magna a designação dos novos membros.

Esta alteração ao número de membros do Conselho de Administração também servirá para acomodar uma exigência da Fosun.

Receba as melhoras dicas de gestão de dinheiro, poupança e investimentos!

Tudo sobre os grandes negócios, finanças e economia.

Obrigado por ter ativado as notificações de Economia ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório