Meteorologia

  • 23 MAIO 2024
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 23º

China prepara lançamento da nave espacial tripulada Shenzhou-18

A nave espacial Shenzhou-18 será lançada na quinta-feira com tripulação, a partir do Centro de Lançamento de Satélites de Jiuquan (noroeste), anunciou hoje a Agência Espacial de Missões Tripuladas da China (AEMT).

China prepara lançamento da nave espacial tripulada Shenzhou-18
Notícias ao Minuto

06:18 - 24/04/24 por Lusa

Tech China

A tripulação Shenzhou-18 vai ser composta pelos astronautas chineses Ye Guangfu, designado comandante da missão, Li Cong e Li Guangsu, disse hoje a AEMT, em conferência de imprensa.

Os astronautas planeiam realizar "duas a três atividades extra-veiculares e seis saídas de carga durante a sua estadia de seis meses em órbita", revelou a agência.

Para além da missão tripulada, a Shenzhou-18 vai transportar equipamento experimental e amostras relacionadas para levar a cabo o primeiro projeto nacional de investigação ecológica aquática em órbita, segundo a agência.

O projeto, centrado no peixe-zebra e na planta erva-do-peixe-dourado ('Ceratophyllum demersum'), visa estabelecer um ecossistema aquático estável e circulante no espaço, de acordo com a AEMT.

No mesmo anúncio, a agência informou que a China está a finalizar a seleção do quarto grupo de "taikonautas" (como são conhecidos os astronautas chineses), que serão responsáveis pelas próximas tarefas na estação espacial chinesa, denominada Tiangong ("Palácio Celestial", em mandarim), e posteriormente pela realização de missões de aterragem lunar no satélite da Terra.

A agência espacial chinesa disse também que vai acelerar a investigação e encorajar a participação de astronautas e turistas espaciais estrangeiros nos voos para a estação espacial.

A tripulação da Shenzhou-17, composta por Tang Hongbo, Tang Shengjie e Jiang Xinlin, deverá regressar à Terra a 30 de abril.

A tripulação da Shenzhou-17, que descolou a 26 de outubro, substituiu a tripulação da Shenzhou-16, que esteve seis meses na estação.

A estação espacial chinesa deverá funcionar durante cerca de 15 anos em órbita, a cerca de 400 quilómetros acima da superfície terrestre.

Em 2024, é provável que se torne a única estação espacial do mundo, se for retirada este ano, como previsto, a Estação Espacial Internacional, uma iniciativa liderada pelos Estados Unidos à qual a China foi impedida de aceder devido aos laços militares do programa espacial chinês.

Na última década, Pequim investiu fortemente no programa espacial e alcançou marcos importantes, como a aterragem bem-sucedida de uma sonda no lado mais distante da lua em janeiro de 2019, um feito que nenhum país tinha conseguido até à data.

Leia Também: NASA procura forma mais rápida e barata de trazer amostras de Marte

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório