Meteorologia

  • 23 ABRIL 2024
Tempo
24º
MIN 13º MÁX 24º

Tecnologia desenvolvida no Porto permitiu recolha de amostras no Ártico

Investigadores do Porto desenvolveram uma tecnologia que, acoplada a um robô, permitiu recolher "de forma totalmente autónoma" amostras de ADN ambiental em profundidade, baixas temperaturas e em diferentes pontos do Ártico, foi hoje anunciado.

Tecnologia desenvolvida no Porto permitiu recolha de amostras no Ártico
Notícias ao Minuto

10:14 - 12/10/23 por Lusa

Tech Inovação

Em comunicado, o Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC), esclarece hoje que a tecnologia, intitulada 'biosampler', foi testada no Ártico.

Depois de validarem a tecnologia, também desenvolvida pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR), os investigadores acoplaram-na a um robô criado pela equipa do INESC TEC.

A tecnologia "é um sensor" cilíndrico que permite recolher amostras de eDNA "de forma totalmente autónoma".

O eDNA ou DNA ambiental é recolhido a partir de fragmentos que as espécies libertam durante o seu movimento, nomeadamente, células da pele, resíduos e outros fluidos corporais.

A operação decorreu a 15 metros de profundidade em águas com temperaturas baixas oriundas do degelo dos glaciares localizados nos fiordes do arquipélago ártico de Svalbard.

Quando comparada a outros sistemas de recolha de amostras, a tecnologia "tem várias vantagens", afirma Alfredo Martins, do INESC TEC, nomeadamente, operar de forma autónoma, em profundidade e a baixas temperaturas da água.

"Foi também mais um desafio de engenharia", acrescenta, citado no comunicado.

Também citada no comunicado, a investigadora Catarina Magalhães, do CIIMAR, salienta a importância da tecnologia na compreensão do impacto das alterações climáticas nas comunidades biológicas do Ártico.

"Esta tecnologia vai revolucionar a capacidade atual da monitorização biológica nos ecossistemas marinhos com particular relevância no oceano Ártico onde é urgente compreender o impacto das alterações climáticas", refere.

Segundo o instituto, a tecnologia permite "programar as horas e datas de recolha", a recolha de um maior número de amostras e a redução de contaminação das mesmas, uma vez que a filtragem é feita 'in loco', bem como trazer a amostra pronta para ser analisada em laboratório.

As amostras recolhidas durante a expedição estão, neste momento, a ser analisadas pelos investigadores do CIIMAR, que vão extrair e sequenciar o eDNA para avaliar a capacidade do sistema autónomo "na avaliação da biodiversidade de ambientes remotos".

Os investigadores acreditam conseguir, nos próximos dois anos, fazer com que a tecnologia opere a 1.000 metros de profundidade.

Até lá, os trabalhos vão decorrer em ambientes externos, como no Ártico, sendo que continuará a ser necessária a intervenção humana caso a intenção seja recolher amostras a mais de 40 metros de profundidade.

"A expectativa é de que o 'biosampler', num curto espaço de tempo, suporte as condições quer de profundidade quer de temperatura necessárias para superarem estes desafios", acrescenta o instituto.

Leia Também: Lisboa é uma das três finalistas do prémio Cidade Europeia da Inovação

Recomendados para si

;

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório