Meteorologia

  • 24 SETEMBRO 2020
Tempo
16º
MIN 16º MÁX 24º

Edição

EUA. Procuradores pedem ao Facebook que impeça difusão de ódio e assédio

Um grupo de 20 procuradores-gerais dos Estados Unidos pediu hoje ao Facebook para tomar mais medidas que impeçam a difusão do ódio e da desinformação na rede social e apoiem as vítimas de assédio na plataforma.

EUA. Procuradores pedem ao Facebook que impeça difusão de ódio e assédio

A carta hoje enviada pelos procuradores ao diretor-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, afirma que a rede social não tem conseguido manter os conteúdos de ódio fora das suas plataformas, nem proteger os utilizadores de perseguidores 'online', apesar do compromisso estabelecido para manter segura a comunidade na Internet.

O grupo liderado pelo procurador-geral do estado de Nova Jérsia, Gurbir Grewal, alertou também que há entidades privadas, grupos organizados e funcionários públicos que "continuam a utilizar o Facebook para espalhar informações erradas e projetar mensagens de ódio contra diferentes grupos de norte-americanos".

"Mensagens de ódio e de desinformação são geralmente direcionadas às pessoas pela aparência, [pelo local] de onde provêm, pela identidade de género que afirmam e pelas crenças [que exibem]", refere a carta.

Os 20 procuradores lembraram ainda que os Estados Unidos vivem um momento de reflexão sobre questões de justiça social e de direitos civis, com uma auditoria do Facebook a reconhecer as dificuldades da rede social para manter afastadas as mensagens de ódio.

"[O ódio] é divisor e desumanizador, e estamos empenhados em combatê-lo em todos os momentos. A própria auditoria do Facebook revelou deficiências significativas na sua abordagem para manter esse tipo de conteúdo fora das suas plataformas, promovendo os direitos civis e desencorajando a discriminação", alerta a carta.

O documento enviado a Zuckerberg salientou também que algumas pesquisas recentes sugerem que mais de 40% dos cidadãos norte-americanos já sofreu algum tipo de 'bullying' 'online' e que mais de 75% desse grupo sofreu na rede Facebook.

Já o assédio inclui comportamentos como 'cyber bullying', roubo, através da publicação de informações privadas de alguém, e ligações para a polícia ou outros serviços de emergência com notificações falsas de incidentes graves.

Os procuradores defendem, na carta, que o Facebook tem "vastos recursos para fazer muito mais do que tem feito" no combate aos comportamentos de ódio e ao assédio.

O grupo sugeriu ao Facebook a implementação de reformas recomendadas numa auditoria à rede social para lutar contra a "desinformação e a discriminação" e "fortalecer o seu compromisso com os direitos civis".

Os 20 procuradores-gerais recomendaram ainda uma melhoria nos serviços do Facebook para apoio às vítimas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Recebe truques e dicas sobre Internet, iPhone, Android, Instagram e Facebook!

O mundo tecnológico em noticias, fotos e vídeos.

Obrigado por ter ativado as notificações de Tech ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório