Meteorologia

  • 17 OUTUBRO 2017
Tempo
13º
MIN 12º MÁX 14º

Edição

"Não competimos em otimismo, senão Marcelo seria imbatível"

O primeiro-ministro escusa-se a fazer previsões acerca da decisão do Executivo comunitário sobre o défice português.

"Não competimos em otimismo, senão Marcelo seria imbatível"
Notícias ao Minuto

16:46 - 19/05/17 por Carolina Rico

Política António Costa

À margem de uma visita a Lousada, António Costa mostrou-se “determinado e confiante” numa decisão favorável da Comissão Europeia, que na próxima segunda-feira se pronuncia relativamente ao Procedimento por Défice Excessivo a Portugal.

“Não vale a pena estarmos ansiosos”, disse o primeiro-ministro aos jornalistas em em Lousada, “fizemos aquilo que nos competia: assegurar que em 2016 tínhamos o défice mais baixo de sempre, temos condições para este ano voltarmos a ter o défice claramente abaixo dos limites fixados por Bruxelas”.

“O que tivemos no primeiro trimestre já não são previsões, são resultados concretos”, reforçou Costa, destacando a necessidade de “continuar numa trajetória de consolidação das contas públicas”.

“É como estarmos numa bicicleta”, reiterou, acrescentando que “para continuar a andar temos de continuara a pedalar.”.

Questionado sobre o facto de Marcelo Rebelo de Sousa ter descrito o “espírito habitual do primeiro-ministro” como um “otimismo crónico e às vezes ligeiramente irritante" – Costa respondeu com um sorriso.

Não competimos em otimismo, senão ele [Marcelo] seria imbatível”, apontou.

Nas suas mais recentes projeções económicas, a Comissão Europeia estima que o défice orçamental português, que em 2016 se fixou nos 2% do Produto Interno Bruto (PIB), continue a descer, para 1,8% este ano e para 1,6% no próximo.

Seja sempre o primeiro a saber. Acompanhe o site eleito pela Escolha do Consumidor 2017.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório