Meteorologia

  • 12 ABRIL 2024
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 27º

Não basta "chegar aos objetivos a encolher a barriga"

As metas para o défice podem estar em linha com a Comissão Europeia no Orçamento, mas isso não chega defende o líder do PSD.

Não basta "chegar aos objetivos a encolher a barriga"
Notícias ao Minuto

12:05 - 22/12/16 por Carolina Rico

Política Passos Coelho

Passos Coelho disse esta quinta-feira não ter ficado surpreendido com a rápida promulgação do Orçamento do Estado por parte de Marcelo Rebelo de Sousa.

“Foi tudo dentro do que estava esperado”, disse o líder social-democrata em Cascais durante um encontro com membros do Conselho da Diáspora das Comunidades Portuguesas.

O PSD votou contra o Orçamento do Estado na votação final global, mas o diploma foi aprovado com os votos favoráveis do PS, Bloco de Esquerda, PCP, Os Verdes e PAN.

O Presidente da República promulgou o diploma esta quarta-feira, justificando, em parte, a decisão com o facto de este "apontar para um valor do défice aceite pela Comissão Europeia".

Argumento que não convence o PSD. Não basta “chegar aos objetivos a encolher a barriga, a suster a respiração, com medidas extraordinárias”, disse Passos Coelho.

“Para nós não basta que as metas para o défice sejam corretas e possam ser atingidas, interessa que a consolidação possa ser efetiva, sustentável”, reforçou.

Com o Orçamento aprovado, fica o desejo para o próximo ano: “que o Governo possa executar o novo Orçamento, melhor do que executou este [de 2016]”, com mais “transparência”, isto é, “assumindo os ‘planos B’” que tiverem de ser seguidos.

Questionado sobre a solução proposta aos lesados do papel comercial do BES, o líder social-democrata condenou o que diz ser uma "encenação" do Governo e desafiou António Costa a explicar o plano no Parlamento.

Recomendados para si

;
Campo obrigatório