Meteorologia

  • 29 NOVEMBRO 2022
Tempo
10º
MIN 8º MÁX 16º

"Socialista candidata sou eu", diz Maria de Belém

Maria de Belém Roseira afirmou hoje, em Arcos de Valdevez, ser a candidata socialista às eleições presidenciais, ressalvando que é "autónoma" do PS, e que nunca exerceu funções com sectarismo perante outras formas de pensamento ou ideologias.

"Socialista candidata sou eu", diz Maria de Belém
Notícias ao Minuto

22:25 - 17/01/16 por Lusa

Política Presidenciais

"Socialista candidata sou eu, socialista candidata sou eu", sublinhou Maria de Belém Roseira, num jantar em Arcos de Valdevez, no distrito de Viana do Castelo.

A candidata ressalvou, contudo, ser "autónoma do Partido Socialista" já que, mesmo no executivo, nunca exerceu as suas funções com "sectarismo" ou "fechamento às outras formas de pensamento e às outras ideologias" porque o Governo é "o Governo de Portugal, não é o Governo de um partido".

"Eu sou militante do Partido Socialista com muito gosto, com muita honra, não me canso de o dizer, 40 anos de militância, estive lá onde o Partido Socialista era necessário e era preciso, estive na Alameda, estive em todas as grandes lutas do Partido Socialista", lembrou.

E prosseguiu: "Estive na escolha e na eleição dos vários secretários-gerais, uma vez de um lado, outra vez do outro, e foi isto que fez do Partido Socialista um grande partido, um partido diverso, um partido onde ninguém foi perseguido nas suas ideias, o partido da diversidade e o partido da tolerância", disse Maria de Belém Roseira, no final do oitavo dia de campanha, depois de ao almoço ter tido a seu lado o presidente honorário socialista, Almeida Santos.

Aliás, foi precisamente com agradecimentos a Almeida Santos que a candidata começou a intervenção no jantar em Arcos de Valdevez, referindo-se ao também ex-presidente da Assembleia da República como "porventura o maior de todos os socialistas vivos", um militante "disciplinado" e uma pessoa de "uma qualidade humana excecional".

Falando perante uma sala cheia de um restaurante em Lugar da Prova, Maria de Belém Roseira retomou ainda o tema da regionalização, lembrando que votou a favor da regionalização.

A candidata aproveitou para homenagear e saudar o poder local, considerando que tendo o 'não' à regionalização vencido no referendo em 1998, o que tem impedido Portugal de ser ainda mais assimétrico tem sido o poder local.

Depois de citar Alexandre Herculano, "um grande defensor do poder local", Maria de Belém Roseira sublinhou que "o país não é todo igual" e que o Algarve é diferente do Minho, tal como o Minho é diferente de Trás-os-Montes.

"Temos de ter políticas inteligentes e ajustadas aos territórios", defendeu, sublinhando que os cidadãos não se podem conformar com "um país a duas velocidades".

"Há muitos 'portugais' dentro de Portugal", notou.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sexto ano consecutivo Escolha do Consumidor e Prémio Cinco Estrelas para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório