Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 30º

Madeira. Taxa de abstenção foi de 46,60%, semelhante à de 2023

A taxa de abstenção nas regionais da Madeira de hoje foi de 46,60%, muito próxima da de 46,65% registada nas eleições anteriores, segundo os resultados provisórios divulgados pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna.

Madeira. Taxa de abstenção foi de 46,60%, semelhante à de 2023
Notícias ao Minuto

23:08 - 26/05/24 por Lusa

Política Madeira

Depois de apuradas todas as freguesias, a abstenção situou-se nos 46,60%, quando estavam inscritos 254.522 eleitores (135.909 votantes).

Nas eleições do ano passado, a abstenção acabou por ficar nos 46,65% e, em 2019, nos 44,5%.

Em 2015, com uma taxa de abstenção de 50,42%, bateu-se o recorde desde 1976, quando se realizaram as primeiras eleições para a Assembleia Legislativa da Madeira.

O PSD venceu hoje as eleições legislativas regionais antecipadas, falhando por cinco deputados a maioria absoluta, segundo dados oficiais provisórios.

De acordo com informação disponibilizada pela Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna, os sociais-democratas obtiveram 36,13% dos votos e 19 lugares no parlamento regional, constituído por um total de 47 deputados.

A maioria absoluta requer 24 assentos.

No ano passado, nas anteriores regionais, o PSD e o CDS-PP, que concorreram coligados, elegeram 23 deputados, pelo que os sociais-democratas assinaram um acordo de incidência parlamentar com a deputada única do PAN.

Catorze candidaturas disputaram hoje os 47 lugares no parlamento regional, num círculo eleitoral único: ADN, BE, PS, Livre, IL, RIR, CDU (PCP/PEV), Chega, CDS-PP, MPT, PSD, PAN, PTP e JPP.

Conseguiram também eleger deputados o PS (11), o JPP (nove), o Chega (quatro), o CDS-PP (dois), a IL e o PAN, com um eleito cada. Saem da Assembleia Legislativa, em relação à anterior composição, o BE e a CDU.

As eleições antecipadas de hoje ocorreram oito meses após as mais recentes legislativas regionais, depois de o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, ter dissolvido o parlamento madeirense, na sequência da crise política desencadeada em janeiro, quando o líder do Governo Regional (PSD/CDS-PP), Miguel Albuquerque, foi constituído arguido num processo em que são investigadas suspeitas de corrupção.

Leia Também: Madeira. Direita com maioria dos mandatos, PS e JPP com 20 deputados

Recomendados para si

;
Campo obrigatório