Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
21º
MIN 17º MÁX 30º

Montenegro indigitado? "Do próximo Governo, não espero nada"

O secretário-geral do Partido Comunista disse que "desde a primeira hora este Governo da parte do PCP só terá combate".

Montenegro indigitado? "Do próximo Governo, não espero nada"
Notícias ao Minuto

16:39 - 21/03/24 por José Miguel Pires com Lusa

Política PCP

Na sequência da indigitação do líder do Partido Social Democrata (PSD), Luís Montenegro, como primeiro-ministro, o secretário-geral do Partido Comunista Português (PCP) reiterou a rejeição a este novo Executivo.

"Do próximo Governo, não espero nada. Não é dali que virão respostas aos problemas colocados, aos salários, ao problema do trabalho por turnos. Não é dali que virá a valorização dos trabalhadores nem do trabalho, portanto não esperamos nada", disse, em declarações aos jornalistas desde Sintra.

Raimundo assegurou que o próximo Executivo "contará da parte do PCP com este combate sério às opções de fundo, independentemente desta ou daquela medida pontual que vai surgir, que procura mascarar" essas mesmas "opções".

"Achamos estranho que outros esperem alguma coisa. Por isso é que dissemos que terá o nosso combate, com a moção de rejeição que vamos apresentar A nossa preocupação é a vida das pessoas", continuou Paulo Raimundo, afirmando que "o PCP a única coisa que está a colocar é para que fique claro que desde a primeira hora", da parte dos comunistas, só haverá "combate".

Raimundo vaticinou que o partido "até pode" ficar isolado no Parlamento na luta contra o Governo de Direita liderado por Montenegro, mas "isso responsabiliza quem não acompanha". Agora, "do ponto de vista social", não ficarão isolados "de certeza", concluiu.

Paulo Raimundo disse ainda estranhar que "outros tenham ilusões sobre o projeto da direita" e, questionado sobre a disponibilidade do PS para viabilizar um Orçamento Retificativo limitado à valorização de algumas carreiras salariais, classificou-a como "uma fuga para a frente de quem tem responsabilidades".

"O PS só pode estar de consciência pesada: um Governo, uma maioria, condições financeiras. Os problemas só não foram resolvidos por uma opção do PS, uma opção que custou caro, que contribuiu para os resultados eleitorais que se verificaram no dia 10", disse.

O líder comunista considerou até que, ao avançar com esta disponibilidade para negociar até o verão um retificativo, o secretário-geral do PS, Pedro Nuno Santos, "está a confessar que só não resolveu porque não quis".

"Se há condições porque é que não fez, chegámos ao que chegámos por essa razão", acrescentou.

Questionado se o PCP estará disponível para negociar esse eventual Orçamento Retificativo, Paulo Raimundo considerou que a questão nem se vai colocar, desafiando os partidos, se querem emendar as contas do Estado, a "acabar com os benefícios fiscais de 1.600 milhões de euros para as grandes empresas ou as transferências de oito mil milhões de euros para o negócio da doença privada".

O secretário-geral comunista participou hoje num contacto com trabalhadores da General Cable Celcat, uma empresa fabricante de cabos elétricos e telefónicos em Pêro Pinheiro, no concelho de Sintra, e foi questionado sobre as expectativas para o novo Governo, que tomará posse em 02 de abril.

aulo Raimundo defendeu ainda que as alegadas disputas de PSD/CDS-PP com IL e Chega não existirão "quando for preciso encontrar os votos para aprovar esta ou aquela medida negativa".

"Lá se vão encontrar as maiorias necessárias", disse, considerando que o programa do PSD e CDS-PP já é suficientemente mau para dispensar "os adornos de IL e Chega".

Já sobre a reunião que o partido terá, na próxima semana, com o BE, a convite do partido liderado por Mariana Mortágua, o líder comunista também disse não esperar "nada de especial", apenas um debate sobre os resultados eleitorais e o novo quadro político.

"Não vejo nenhum particular destaque nessa reunião, logo vemos o que sai daí", disse.

Sobre a empresa à porta da qual hoje esteve, Raimundo frisou tratar-se de um regresso e que os problemas que se colocavam em 2023 -- precariedade de salários, os três turnos de laboração e a não valorização dos trabalhadores -- se mantêm "tal e qual".

A Aliança Democrática (AD) venceu as eleições de 10 de março e o líder do PSD foi indigitado primeiro-ministro pelo Presidente da República. Luís Montenegro apresenta o seu Governo em 28 de março e a posse está prevista para 02 de abril.

As duas coligações lideradas pelo PSD -- AD (PSD/CDS/PPM) e Madeira Primeiro (PSD/CDS) -- conseguiram 28,84% dos votos e 80 deputados, segundo os resultados provisórios da Secretaria-Geral do Ministério de Administração Interna - Administração Eleitoral.

O PS foi o segundo partido mais votado com 28% e 78 deputados, e o Chega obteve 18,07%, com 50 mandatos no novo parlamento.

A Iniciativa Liberal (IL) foi a quarta força política com 4,94% dos votos e com oito deputados, seguida do Bloco de Esquerda, com 4,36% e cinco deputados. Também elegeram deputados o PCP, com 3,17% e quatro deputados, os mesmos que o Livre, com 3,16%. O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) manteve o seu deputado, com 1,95%.

[Notícia atualizada às 17h34]

Leia Também: Governo de Direita? "Não responde às necessidades do país"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório