Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
14º
MIN 10º MÁX 14º

PNS. "Não precisamos de atacar candidatos para nos distinguirmos"

O candidato a secretário-geral do PS Pedro Nuno Santos rejeitou hoje a necessidade de atacar os seus adversários na corrida à liderança socialista como forma de se distinguir, insistindo que o foco está no "combate à direita".

PNS. "Não precisamos de atacar candidatos para nos distinguirmos"
Notícias ao Minuto

16:21 - 11/12/23 por Lusa

Política Pedro Nuno Santos

Num encontro com mulheres socialistas, na sede do PS, em Lisboa, Pedro Nuno Santos começou por dizer que a campanha para as diretas de dia 15 e 16 é interna, mas o seu foco "tem sido e continuará a ser o combate à direita e a defesa do país".

"Esse é sempre o nosso objetivo e nós não precisamos, para nos distinguirmos dos nossos camaradas que também são candidatos a secretário-geral do Partido Socialista, não precisamos de os atacar para mostrarmos a forma diferente com que nós temos que estar na política", defendeu.

O ex-ministro e deputado Pedro Nuno Santos continuou, dizendo que tem "muito respeito" por José Luís Carneiro e Daniel Adrião, que disputam consigo a liderança do PS, e expressou a sua vontade de trabalhar com os dois após as diretas.

"Quando falamos do país, do país que queremos ter, quando falamos do combate e da forma como vemos o combate à direita, obviamente estamos também a defender uma forma de estar na vida política e isso é mais do que suficiente, aliás, é por aí que temos que nos distinguir internamente e não no combate direto aos meus camaradas", sublinhou.

Numa intervenção de cerca de vinte minutos, Pedro Nuno Santos disse ainda que, em Portugal, muitas vezes "vai-se arrastando os pés", dando como exemplo a construção do novo aeroporto de Lisboa.

"Há sempre uma boa razão para fazermos mais um estudo, mais uma comissão, mais um grupo de trabalho, mas verdadeiramente o que precisamos é de decidir já. E é isso que nos vai distinguindo também da direita ao longo do tempo", considerou.

Para Pedro Nuno Santos, o caso do aeroporto "é paradigmático disto": "são 50 anos para decidir o aeroporto e depois de um relatório de uma comissão técnica independente aquilo que o PSD tem para nos dizer é que vai organizar mais um grupo de trabalho", criticou.

O dirigente socialista lamentou que o país deixe "sistematicamente decisões para depois" e vá "adiando sonhos", entre os quais, "o sonho de viver num país onde há igualdade de género", disse, perante uma plateia maioritariamente composta por mulheres.

Ainda durante esta intervenção, o adversário José Luís Carneiro estava também na sede do partido, numa outra sala, onde minutos depois falou aos jornalistas para apresentar medidas para a habitação.

[Notícia atualizada às 17h32]

Leia Também: "Não sou radical nem moderado. Tenho convicções"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório