Meteorologia

  • 28 FEVEREIRO 2024
Tempo
12º
MIN 9º MÁX 16º

Montenegro acusa Costa de "crime político por brincar" com capital da TAP

O líder do PSD, Luís Montenegro, acusou hoje o primeiro-ministro, António Costa, de ter cometido um "crime político e económico ao ter andado a brincar" com o capital da TAP nos últimos anos.

Montenegro acusa Costa de "crime político por brincar" com capital da TAP
Notícias ao Minuto

20:54 - 20/09/23 por Lusa

Política TAP

espera de saber qual a solução que o Governo vai apresentar" para a privatização da empresa, Luís Montenegro salientou ser "daqueles que pensou sempre o mesmo" e que há mais de dez anos defende "a privatização integral do capital da companhia aérea portuguesa".

Acusou António Costa de "mudar de opinião consoante os anos e as circunstâncias", lembrando que o primeiro-ministro "já foi contra a privatização, nacionalizou primeiro uma parte do capital, depois a totalidade do capital, depois pôs a hipótese de privatizar uma parte e agora põe a hipótese de privatizar tudo".

"Anda aos ziguezagues para a frente e para trás", lamentou o presidente social-democrata.

Um posicionamento que levou Luís Montenegro a acusar o chefe do executivo de ter cometido "um crime político e económico ao ter andado a brincar com o capital da TAP, ao obrigar os contribuintes portugueses a injetar mais de três mil milhões de euros na companhia".

Lamentando a "falta de transparência do Governo" para responder às questões sobre a privatização da companhia aérea, o líder do PSD assegurou que, mesmo desconhecendo "qual é solução final, qual é o caderno de encargos, quais serão os critérios que o Governo apresentará para poder privatizar parte ou a totalidade do capital", o partido é favorável à privatização.

Para Montenegro, isso mesmo podia já ter acontecido na sequência do processo que se iniciou em 2015, "não fora esta irresponsabilidade, este crime político que António Costa e o PS cometeram e que infelizmente teve um custo de mais de três mil milhões de euros".

Agora, acrescenta, "o desejável é que o Estado possa recuperar todo o montante da injeção de capital que fez", apesar de admitir "ter muitas dúvidas" que isso venha a acontecer.

Luís Montenegro falava no Entroncamento, onde hoje visitou a estação do caminho de ferro, no âmbito da iniciativa "Sentir Portugal", dedicada ao distrito de Santarém.

Leia Também: Montenegro acusa PS de voragem implacável de cobrador de impostos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório