Meteorologia

  • 30 NOVEMBRO 2021
Tempo
MIN 7º MÁX 12º

Edição

IL acusa Costa de "aproveitamento eleitoral" devido a alterações no IRS

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o primeiro-ministro de "aproveitamento eleitoral" e considerou as alterações anunciadas nos escalões do IRS para o Orçamento do Estado para 2022 como "pequenas cócegas".

IL acusa Costa de "aproveitamento eleitoral" devido a alterações no IRS
Notícias ao Minuto

14:35 - 09/09/21 por Lusa

Política OE2022

Em declarações à agência Lusa numa ação de campanha nas ruas de Ponta Delgada, nos Açores, o líder da IL acusou António Costa de "aproveitamento eleitoral absolutamente descarado".

O liberal referia-se ao anúncio de que o Governo está a trabalhar para que no próximo Orçamento se introduzam desdobramentos nos escalões de IRS entre 10 e 20 mil euros e entre os 36 e 80 mil euros.

"Qualquer mexida no IRS que possa resultar no desagravamento do mesmo, mesmo que seja para uma percentagem pequena da população, nós estaremos certamente de acordo. Mas temos de chamar a atenção de que há aqui uma mistificação e um aproveitamento eleitoral", criticou o presidente da IL.

Cotrim de Figueiredo afirmou que o PS quer promover alterações no "escalão que tem mais contribuintes e mais eleitores" para "assegurar a manutenção do poder".

"As pessoas só sentirão eventuais reembolsos acrescidos desse imposto lá para março ou abril de 2023, poucos meses antes daquilo que se estima serem as datas das eleições legislativas. Há aqui um aproveitamento eleitoral absolutamente descarado", afirmou.

E acrescentou: "em vez de mexer na estrutura, [a alteração] faz pequenas cócegas à estrutura do IRS, desdobrando escalões (...). Não mexe na essência".

O liberal lembrou que a proposta do partido pretende "simplificar drasticamente o sistema do IRS", através de criação de "uma ou duas taxas transitoriamente".

O deputado considerou que as últimas intervenções de António Costa "foram uma antevisão daquilo que será o Orçamento" do Estado (OE) para 2022, baseadas em "medidas setoriais" e "promessas vãs".

Cotrim de Figueiredo salientou ainda que o "tema do crescimento económico" está "sistematicamente ausente das intervenções" do primeiro-ministro.

"Há muitos problemas que Portugal tem de resolver e muitos que vale a pena discutir. Se só pudéssemos discutir e resolver um, este seria o problema do crescimento económico. Porque atrás dele vem a capacidade de resolver mais uma série de outros problemas", apontou.

O líder da IL disse antever que o OE para 2022 será marcado pelas "cedências à esquerda" parlamentar.

"Esperamos um Orçamento que prepare um ano de 2023 que vai ser de descarado eleitoralismo do PS, porque o seu grande objetivo é manter-se no poder. Espero cedências à esquerda parlamentar na legislação do trabalho e na parte fiscal", concluiu.

Leia Também: Desdobramento de escalões de IRS? "Estamos a trabalhar muito seriamente"

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório