Meteorologia

  • 27 NOVEMBRO 2020
Tempo
13º
MIN 9º MÁX 16º

Edição

PEV vai insistir em propostas rejeitadas, Governo apenas aceitou "2 ou 3"

O líder parlamentar dos Verdes afirmou hoje que Governo apenas aceitou "duas ou três" propostas do partido para o Orçamento do Estado de 2021 e que, na próxima reunião com o Governo, vai insistir nas que foram rejeitadas.

PEV vai insistir em propostas rejeitadas, Governo apenas aceitou "2 ou 3"
Notícias ao Minuto

11:53 - 20/10/20 por Lusa

Política OE2021

Em entrevista à TSF, o deputado do Partido Ecologista 'Os Verdes' (PEV) José Luís Ferreira disse que não levará novas propostas para a ronda de conversações com o primeiro-ministro, António Costa, na quarta-feira, mas vai "insistir nas que ficaram para trás".

Para PEV, das "25 a 30 propostas" feitas, apenas "duas ou três" foram aceites pelo executivo do PS para o Orçamento do Estado, o que "de forma alguma" é suficiente para viabilizar o documento.

"O que está em cima da mesa é muito pouco", disse.

Entre as propostas que leva para a reunião com o primeiro-ministro, em São Bento, José Luís Ferreira destacou os apoios às pequenas e médias empresas e a criação de um fundo de tesouraria, uma ideia que o PEV, parceiro do PCP na CDU, tem vindo a insistir nos últimos meses para fazer face aos efeitos da crise causada pela pandemia de covid-19.

O primeiro-ministro, António Costa, reúne-se hoje, em São Bento, com o Bloco de Esquerda, PCP e PAN para procurar um acordo para a viabilização da proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021.

A Assembleia da República começa em 27 de outubro a debater a proposta do Governo de Orçamento do Estado para 2021, estando a votação na generalidade marcada para o dia seguinte, 28.

Até agora, o executivo de António Costa ainda não dispõe de quaisquer garantias políticas dos parceiros parlamentares dos socialistas para a viabilização do Orçamento e considera-se que esta semana será "decisiva" em relação aos resultados das negociações.

Na segunda-feira, à noite, em entrevista à TVI, interrogado se tenciona demitir-se caso seja forçado a governar por duodécimos, o primeiro-ministro respondeu: "Se há coisa que eu não contribuirei nunca é para haver crise política no contexto desta crise pandémica, desta crise económica e desta crise social".

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 1,1 milhões de mortos e mais de 40 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 2.198 pessoas dos 101.860 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório