Meteorologia

  • 21 AGOSTO 2019
Tempo
29º
MIN 27º MÁX 30º

Edição

Helena Roseta fecha ciclo com missão cumprida. "Era difícil mas consegui"

A deputada independente do PS Helena Roseta viu cumprido, esta sexta-feira, o seu objetivo de ver aprovada a primeira Lei de Bases da Habitação.

Helena Roseta fecha ciclo com missão cumprida. "Era difícil mas consegui"

O Parlamento aprovou esta sexta-feira a primeira Lei de Bases da Habitação, com os votos contra do PSD e do CDS. 

“A Lei de Bases não vai dar propriamente casas a ninguém, mas vai ter duas consequências muito importantes”, vincou em declarações ao Notícias ao Minuto, Helena Roseta, deputada independente do PS que fala num "momento histórico".

A primeira consequência "é que é uma lei que está do lado das pessoas, que concretiza o que significa ter direito à habitação e os mecanismos para defendê-lo, que é extremamente importante”, salientou Roseta, referindo-se, por exemplo, ao artigo sobre despejos no qual “ficam coisas garantidas e salvaguardadas porque o direito à habitação é um direito fundamental da pessoa humana”.

Em segundo lugar, destacou, esta lei “obriga o Estado a ter um papel que até agora não tem tido na política de habitação em Portugal, a apresentar a sua política de habitação ao Parlamento, que tem que ser aprovada e que tem de ser acompanhada por relatórios anuais”. “As leis são fundamentais para um país funcionar”, frisou a presidente da Assembleia Municipal de Lisboa.

Num ponto, todos os partidos estão de acordo, até a Direita que votou contra esta Lei. “Tem que haver aqui um investimento muito maior nas políticas públicas e nesse ponto está de toda a gente de acordo. Mesmo os que votaram contra a lei, votaram a favor desse princípio que o Estado é que é o garante do direito à habitação”, assinalou a deputada que desencadeou o processo legislativo. 

Um ciclo que se fecha

Para Helena Roseta o dia de hoje é “especialmente histórico”. “Entrei no Parlamento com 27 anos para a Constituinte e tive interferência direta no artigo sobre o direito à habitação. Saio com 71 com a Lei de Bases da Habitação. Acho que fechei o meu ciclo”, diz. “Era difícil mas consegui”, regozija-se.

A deputada independente do PS deixa assim a vida parlamentar com sentimento de dever cumprido e sem nostalgias. “Tenho muitas coisas para fazer, mas isto era um objetivo que eu tinha e que cumpri (...) Felizmente, ainda estou bem de saúde, ainda tenho a cabeça no lugar, não tenho nenhuma doença mental, e posso continuar", conclui. 

Um caminho longo até aqui

O diploma aprovado foi consensualizado entre os deputados do grupo de trabalho parlamentar da Habitação, Reabilitação Urbana e Políticas de Cidades, no âmbito do processo de apreciação dos projetos de lei de PS, PCP e BE para a criação da Lei de Bases da Habitação, que suscitaram cerca de uma centena de propostas de alteração, apresentadas pelos diferentes grupos parlamentares, incluindo PSD e CDS. 

A favor deste diploma, o grupo parlamentar do PS, que suscitou o tema com a apresentação de um projeto de lei, em abril de 2018, da autoria da deputada independente do PS Helena Roseta, aceitou retirar a sua iniciativa legislativa, assim como PCP e BE, que também tinham projetos próprios.

"O Estado é o garante do direito à habitação", lê-se no diploma da Lei de Bases, indicando que "todos têm direito, para si e para a sua família, a uma habitação de dimensão adequada, em condições de higiene e conforto e que preserve a intimidade pessoal e a privacidade familiar".

Além da "efetiva garantia desse direito a todos os cidadãos", o diploma estabelece a função social da habitação, em que "os imóveis ou frações habitacionais detidos por entidades públicas ou privadas participam, de acordo com a lei, na prossecução do objetivo nacional de garantir a todos o direito a uma habitação condigna".

Entre as medidas que compõem a Lei de Bases, destaca-se a criação do Programa Nacional de Habitação e da Carta Municipal de Habitação, assim como a proteção no despejo e a integração do direito à habitação nas políticas de erradicação de pessoas em condição de sem-abrigo.

O Estado deve acelerar os processos judiciais de heranças indivisas que incluam bens imóveis com aptidão habitacional, a possibilidade da entrega da casa às instituições bancárias para extinguir a dívida no crédito à habitação e a regulação e fiscalização da atividade dos condomínios são outras das medidas que incluem a proposta para a Lei de Bases da Habitação.

Após promulgação pelo Presidente da República, o diploma entra em vigor "no primeiro dia do mês seguinte ao da sua publicação" no Diário da República, dando "um prazo de nove meses" para adaptação da Lei de Bases da Habitação ao quadro legal e regulamentar.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório