Meteorologia

  • 15 DEZEMBRO 2018
Tempo
15º
MIN 14º MÁX 15º

Edição

Bloco apela a "movimento social de pressão" para obter 1% para a Cultura

A deputada do Bloco de Esquerda, Mariana Mortágua, apelou hoje à criação de "um movimento social de pressão" para se alcançar 1% do Orçamento do Estado para a Cultura.

Bloco apela a "movimento social de pressão" para obter 1% para a Cultura
Notícias ao Minuto

21:23 - 19/11/18 por Lusa

Política Mariana Mortágua

A deputada falava na manifestação da Plataforma Cultura em Luta, tendo afirmado que esta legislatura podia ser "o momento" para se alcançar aquele desígnio, pois havia "uma maioria parlamentar que podia ter feito a diferença, mas era preciso que o Governo quisesse".

A deputada Ana Mesquita, do Partido Comunista Português (PCP), outro partido que apoia no parlamento o atual Governo, lembrou que, desde o início da legislatura, os comunistas sempre exigiram 1% para a Cultura.

Mariana Mortágua, por seu lado, disse que, se as propostas de alteração ao Orçamento do Estado, apresentadas pelo BE e pelo PCP, fossem aprovadas - e algumas são coincidentes - poderá vir a ser "superado o exigido 1% para a Cultura".

A reativação do programa de apoio à rede de museus municipais e o aumento de investimento no Arquivo Nacional da Imagem em Movimento (ANIM) são propostas de alteração ao Orçamento do Estado avançadas por ambos os partidos.

Em declarações à agência Lusa, Mariana Mortágua justificou a sua presença na manifestação "por solidariedade, para dar força e para que a mobilização se faça e se consiga melhores resultados".

Questionada sobre o poder negocial do BE com o Governo nesta matéria, a bloquista referiu que o peso do seu partido no parlamento é 10%, numa maioria parlamentar em que o Partido Socialista (PS) tem 30% e, quando se fizeram os acordos para esta legislatura, "o PS de alguma forma determinou regras de feitura destes orçamentos".

Mariana Mortágua recorda que "as regras orçamentais determinadas por Bruxelas" nunca foram aceites pelo BE. A deputada pensa "que há condições para aumentar o financiamento", mas reconheceu também que o Bloco não conseguiu impor essa vontade, porque o PS é maioritário neste contexto.

O BE apresentou, como propostas de alteração, a reativação do programa ProMuseus, de apoio aos museus municipais, de aumento do financiamento do ANIM e de criação de um fundo de apoio ao cinema e às salas independentes de exibição.

Nos anos anteriores, as propostas de alteração do BE foram chumbadas com os votos do PS, PSD e CDS. Se, neste orçamento, voltar a acontecer, "e o PS insistir em não dar passos maiores e em não aprovar estas propostas, ele próprio está a tornar públicas quais são as suas posições e as suas prioridades".

Ana Mesquita, por seu turno, realçou à Lusa que o PCP é o único partido nesta legislatura que apresentou uma proposta no sentido de a Cultura ter 1% do Orçamento do Estado.

A deputada comunista disse que o seu grupo parlamentar sempre alertou o Governo para a necessidade da criação de "um serviço público de cultura estruturado e coerente".

"O que nós exigimos ao Governo é que sejam dados passos concretos nesse sentido", declarou.

"Temos todas as condições para o fazer. Nós vamos apresentar esta proposta de 1% para a Cultura e fica muito bem definido quem defende 1% para a Cultura, e vai votar a favor, e quem não está interessado em fazer esse caminho, e tem receio, porque acha que é muito rápido, quando, na verdade, temos todas as condições para o fazer".

O PCP propôs a reativação do programa ProMuseus de apoio aos museus municipais, o aumento do financiamento do ANIM, a dotação de cinco milhões de euros para apoio às artes, verbas para a renovação dos fundos documentais das bibliotecas públicas e a reativação das itinerâncias culturais das bibliotecas.

Entre os participantes na concentração de hoje da Plataforma Cultura em Luta, estava o encenador Tiago Rodrigues, diretor artístico do Teatro Nacional D. Maria II (TNDM), que se afirmou "solidário com um aumento substancial para a Cultura em Portugal" - e que se juntou à manifestação, também para cumprimentar muitos colegas.

O encenador considerou "importante o diálogo que tem acontecido, o debate em praça pública", e referiu que, "cronicamente, o financiamento para a Cultura em Portugal é francamente insuficiente, há muitas décadas".

Tiago Rodrigues afirmou que é "fundamental a capacidade de diálogo com o poder político, e que isso tem sido um facto", considerou que "é normal em democracia que estas expressões de descontentamento aconteçam".

Tiago Rodrigues reconheceu que houve um "aumento significativo no orçamento artístico" do TNDM, e "um menos significativos no que são os custos de estrutura", mas que corresponde a diálogo que houve com a tutela, nomeadamente os ministérios da Cultura e o das Finanças.

Entre os manifestantes estiveram a atriz Paula Guedes, o artista Tiago Ivo Cruz, o diretor da Fundação José Saramago, Sérgio Letria, o secretário-geral da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), Mário Nogueira, e o secretário-geral da CGTP-Intersindical, Arménio Carlos.

Em defesa da proposta falaram representantes das estruturas que compõem a Plataforma Cultura em Luta - Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, do Audiovisual e dos Músicos (Cena-STE), Sindicato dos Trabalhadores de Arqueologia, Manifesto Em Defesa da Cultura, Associação de Arquivistas, Bibliotecários e Documentalistas e a Federação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores em Funções Públicas e Sociais -- assim como um representante dos trabalhadores do Teatro Nacional de S. Carlos, do Sindicato dos Estivadores e da Companhia de Teatro Escola de Mulheres, dirigida por Fernanda Lapa, além das duas parlamentares, entre outras personalidades.

A exigência de um valor para a Cultura equivalente a 1% da despesa total dos ministérios é uma reivindicação antiga dos agentes do setor.

Segundo a proposta de Orçamento do Estado, cuja votação final global está marcada para dia 29 de novembro, os organismos e entidades culturais tuteladas pelo Ministério da Cultura, dispõem de um total de 244,8 milhões de euros, para despesa em 2019, mais 28,1 milhões de euros do que a previsão para 2018 (216,7 milhões de euros), traduzindo um aumento de 12,9%.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório