Meteorologia

  • 20 NOVEMBRO 2018
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 17º

Edição

Comissão é desfavorável à nomeação de socialista para a ERSE

A proposta de parecer da comissão parlamentar de Economia é desfavorável à nomeação do deputado socialista Carlos Pereira para a Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE), segundo o documento a que a Lusa teve acesso.

Comissão é desfavorável à nomeação de socialista para a ERSE
Notícias ao Minuto

20:12 - 23/10/18 por Lusa

Política Parlamento

"Das opiniões e considerações dos partidos expressas durante as audições, pode concluir-se que não reúne consenso a personalidade indicada pelo Governo para o cargo de vogal do Conselho de Administração da ERSE, emitindo-se assim parecer desfavorável à nomeação", indica a proposta de parecer esta terça-feira distribuída aos deputados e que deverá ser apreciada na quarta-feira.

O Governo escolheu o deputado socialista Carlos Pereira para vogal do Conselho de Administração da ERSE, substituindo no cargo Alexandre Santos, cujo mandato terminou em maio.

O parecer da comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas não é vinculativo e foi redigido pelo comunista Bruno Dias, escolhido por aquela estrutura para deputado relator.

No documento, salienta-se também que "o perfil da personalidade indigitada deve adequar-se à função a desempenhar, ser-lhe reconhecida a idoneidade, competência técnica, experiência profissional e formação adequada ao exercício da função".

O parecer recorda ainda todo o processo desde a nomeação.

A escolha do executivo, liderado pelo socialista António Costa, foi conhecida em 08 de outubro, tendo sido marcada para dois depois uma audição a Carlos Pereira na comissão de Economia.

Porém, esse encontro acabou por ser adiado para antes ouvir o então ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, no âmbito de requerimentos apresentados pelo PCP e pelo CDS-PP e aprovados por unanimidade.

A audição a Caldeira Cabral aconteceu no dia 12 de outubro, com o ex-governante a afirmar "não perceber" como é que a escolha de um deputado socialista para vogal do regulador energético pode colocar em causa a sua "independência" no cargo, assegurando que a nomeação não foi "partidária".

Cinco dias depois, e já após a remodelação governamental, Carlos Pereira foi ouvido na comissão de Economia, na qual garantiu aos deputados que não será "influenciado por opiniões ou indicações" do executivo, rejeitando críticas de falta de isenção.

A escolha de Carlos Pereira foi, inicialmente, feita por Caldeira Cabral, mas acabou por ser depois confirmada pelo novo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, que detém agora a pasta da Energia e pediu que o processo avançasse com a audição a Carlos Pereira.

A nomeação já teve parecer favorável da Comissão de Recrutamento e Seleção para Administração Pública (Cresap), que considerou o perfil de Carlos Pereira "adequado" às funções.

No parecer a que a Lusa teve acesso, a Cresap aponta que o escolhido "tem experiência profissional superior a 20 anos em cargos de gestão privada e cargos políticos como vereador e deputado na Assembleia da República, onde participou em várias comissões relacionadas com este setor, destacando-se a coordenação da elaboração e discussão de diversos diplomas sobre o setor da energia".

Segundo a lei-quadro das Entidades Reguladoras, os membros do Conselho de Administração são escolhidos por indicação do membro do Governo responsável pela área, sendo designados por resolução do Conselho de Ministros, tendo em consideração um parecer fundamentado da Assembleia da República, após audição do escolhido.

O parecer será apreciado e votado na reunião da comissão de Economia esta quarta-feira de manhã.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório