Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2018
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 14º

Edição

Capazes revela mais acórdãos do juiz sobre adultério. "É reincidente"

Depois da decisão tornada pública em relação ao adultério de uma mulher, a associação Capazes revelou mais um acórdão (também polémico) do mesmo juiz.

Capazes revela mais acórdãos do juiz sobre adultério. "É reincidente"
Notícias ao Minuto

17:19 - 23/10/17 por Inês André de Figueiredo 

País Associação

O acórdão do Tribunal da Relação do Porto, proferido no dia 11 de outubro, onde o adultério é utilizado como uma justificação para a violência doméstica entre marido e mulher tem levantado várias críticas, estando a organização Capazes na linha da frente da contestação.

Agora, no seu site oficial, as Capazes revelam que o juiz “Neto de Moura é ‘reincidente’ no argumentário machista para ‘fundamentar’ decisões judiciais”.

Nesta senda é publicado um texto da decisão de um coletivo de juízes onde se pode ler que “há motivos bem fortes para questionar a fiabilidade das declarações da denunciante e se não a movem interesses egoístas e mesquinhos”.

“Já agora, uma vez que a suposta religiosidade do arguido foi chamada a terreiro para o descredibilizar, permita-se-nos esta referência bíblica: ‘Assim é o caminho de uma mulher adúltera: ela comeu e esfregou a boca, e disse: ‘‘Não cometi nenhum agravo’’”, pode ler-se no texto publicado pela associação Capazes.

“E, ainda, esta do sábio rei Salomão: ‘Quem comete adultério . . . é falto de boa motivação’”, acrescenta ainda o acórdão.

Nessa decisão, é ainda escrito que “uma mulher que comete adultério é uma pessoa falsa, hipócrita, desonesta, desleal, fútil, imoral. Enfim, carece de probidade moral. Não surpreende que recorra ao embuste, à farsa, à mentira para esconder a sua deslealdade e isso pode passar pela imputação ao marido ou ao companheiro de maus tratos”, realça o mesmo texto.

A publicação deste novo acórdão do juiz Neto de Moura leva as Capazes a “acrescentar este acórdão à fundamentação das já anunciadas queixas ao Conselho Superior de Magistratura e à Comissão para a Cidadania e a Igualdade de Género”.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório