Meteorologia

  • 22 OUTUBRO 2020
Tempo
16º
MIN 12º MÁX 19º

Edição

Código Penal. Primeiras propostas de mudança concluídas até ao fim do ano

As primeiras propostas de alteração ao Código Penal com vista à revisão dos regimes de prisão por dias livres e de semidetenção deverão estar concluídas até ao final deste ano, disse hoje à Lusa fonte do Ministério da Justiça.

Código Penal. Primeiras propostas de mudança concluídas até ao fim do ano

Criado por despacho da ministra da Justiça no passado dia 11, o grupo prevê a apresentação das primeiras conclusões até ao final deste ano, referiu a fonte do gabinete tutelado por Francisca Van Dunem, sublinhando que os trabalhos do grupo deverão começar no início de novembro.

O grupo tem como missão elaborar propostas de alteração ao Código Penal, com vista à revisão dos regimes de prisão por dias livres e de semidetenção e ao aperfeiçoamento do quadro sancionatório, indicou.

Pretende-se definir "um novo quadro legislativo que coloque à disposição dos juízes alternativas às penas de prisão de curta duração, admitindo-se os poucos efeitos positivos destas sanções", sublinhou a fonte.

Em termos político-criminais, admite-se que a prisão por dias livres (PDL), também conhecida por prisão aos fins de semana, tem poucos efeitos positivos na prevenção da reincidência, podendo mesmo ter efeitos perniciosos a nível de crime, referiu a mesma fonte.

Essa é a perceção que advém do conhecimento da realidade penitenciária, em articulação com a Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais. De resto, a iniciativa não é inédita noutras ordens jurídicas que também tinham este tipo de penas de prisão aos fins de semana. Esta será, no entanto, uma das matérias que o grupo de trabalho tem como missão apurar.

A revisão dos regimes de prisão por dias livres e de semidetenção tem sido uma das apostas de Francisca Van Dunem.

Esta segunda-feira, a secretária de Estado Adjunta da Justiça disse que uma das prioridades da política de justiça é a promoção do trabalho a favor da comunidade, diminuindo a aplicação de penas curtas de cadeia.

A aposta do Governo assenta numa "visão genuinamente ressocializadora" que visa, igualmente, combater a sobrelotação das prisões portuguesas.

De 2012 até agora, a população prisional aumentou para mais de 14.000 pessoas, o correspondente a uma taxa de quase 140 reclusos por 100.000 habitantes, um valor de "elevado" para os padrões médios da União Europeia, disse, na altura, Helena Mesquita Ribeiro.

O grupo é presidido pelo penalista e catedrático Jorge Figueiredo Dias, integra outros penalistas e académicos das universidades de Coimbra e de Lisboa e o subdiretor da Direção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Paulo Moimenta de Carvalho.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório