Meteorologia

  • 04 JUNHO 2020
Tempo
25º
MIN 17º MÁX 25º

Edição

Suicídios: Ano 'negro' na polícia põe em causa armas de serviço

Desde o início do ano, 15 elementos das forças de segurança tiraram a própria vida (seis da GNR, oito da PSP e um guarda prisional). Porte de arma de serviço posto em causa.

Suicídios: Ano 'negro' na polícia põe em causa armas de serviço

As forças de segurança atravessam um período traumático. Desde o início do ano, já se registou 15 suicídios, o dobro dos registados no ano passado. Só este mês de novembro foram sete os profissionais a acabar com a própria vida, entre a GNR e a PSP.

A situação é de tal forma grave que o Ministério da Administração Interna (MAI) já informou que vai pedir o contributo das associações socioprofissionais da GNR e dos sindicatos da PSP para a revisão do plano de prevenção do suicídio nas forças de segurança.

Foram chamados os sindicatos e daqui a uma semana serão apresentadas medidas concretas, avança o Expresso. Desde há dois meses a esta parte, vários agentes da PSP foram chamados a fazer rastreios psicológicos.

A publicação destaca que podem ser vários os motivos que levam as forças de segurança a cometer suicídio: problemas económicos, afastamento de casa, desagregação familiar e, inclusive, o porte permanente da arma de serviço.

“Praticamente a totalidade dos suicídios é cometida com a arma de serviço, colocando a questão sobre os procedimentos a adotar quanto à restrição do porte de arma perante vulnerabilidades psíquicas que possam indiciar elevado risco de suicídio. Mas esta matéria é complexa, já que a restrição pode ser interpretada como vexatória ou de desqualificação da função da polícia”, afirmou ao Expresso Carlos Braz Saraiva, psiquiatra envolvido na elaboração do Plano Nacional de Prevenção do Suicídio.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório