Meteorologia

  • 20 OUTUBRO 2019
Tempo
14º
MIN 12º MÁX 18º

Edição

Helena Roseta quer autarquias com mais margem para gerir habitação

A presidente da Assembleia Municipal de Lisboa defendeu hoje que as autarquias deviam ter flexibilidade para rentabilizar os recursos consoante as necessidades que têm", considerando que a nova lei da renda apoiada é muito "inflexível e rígida".

Helena Roseta quer autarquias com mais margem para gerir habitação
Notícias ao Minuto

17:03 - 26/03/15 por Lusa

País Rendas

Intervindo na Assembleia Geral Extraordinária da Associação Portuguesa da Habitação Municipal (APHM), Helena Roseta defendeu que o novo quadro legal, em vigor desde janeiro, deveria admitir "outras soluções" de arrendamento da habitação pública.

Recordando ter sido deputada constituinte e colaborado na redação do artigo 65.º da Constituição sobre o direito à habitação, Helena Roseta comentou que o texto "continua a estar atualizado, mas faz falta a referência à reabilitação urbana".

A arquiteta lembrou que, face aos atuais números do desemprego jovem ou aos novos modelos familiares, as leis deviam "abrir o leque de opções" além da renda apoiada.

"Houve o apoio para o PER (Programa Especial de Reabilitação, em 1993, com construção), mas para a reabilitação têm sido umas 'migalhinhas'", considerou Helena Roseta, concluindo que, por isso, os bairros sociais "podem ser transformados em problemas".

"Teoricamente [os bairros de renda apoiada] deveriam ser modelos por terem sido apoiados pelo Estado, mas são bairros prioritários (em termos de necessidade de intervenção) ", resumiu a presidente da Assembleia Municipal, para quem há "carência de instrumentos legais e financeiros" por se considerar a habitação uma "questão resolvida com o PER".

Durante esta assembleia da APHM, Helena Roseta defendeu também que deveria ser visível nos recibos da renda o "subsídio que, na prática, está a ser pago pelas câmaras municipais".

Em causa estão os valores fixados por lei para a renda e o que não é cobrado face aos rendimentos dos agregados. "Devia ser visível para a contabilidade das autarquias em termos de benefícios sociais e para os moradores", disse.

Helena Correia, administradora da Gebalis, empresa de gestão da habitação municipal de Lisboa, indicou estar prevista essa contabilização, mas salientou ainda ser necessário "desenvolver uma aplicação".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório