Meteorologia

  • 04 JULHO 2020
Tempo
22º
MIN 16º MÁX 34º

Edição

Defesa contesta acusação dois anos após acidente que fez 11 mortos

Dois anos depois do acidente que vitimou mortalmente 11 pessoas na Sertã, no Itinerário Complementar (IC) 8, o advogado de defesa do condutor, acusado de homicídio por negligência, requereu a abertura de instrução para contestar o teor da acusação.

Defesa contesta acusação dois anos após acidente que fez 11 mortos
Notícias ao Minuto

14:00 - 27/01/15 por Lusa

País Sertã

O Ministério Público (MP) acusou de homicídio por excesso de velocidade e negligência o condutor do autocarro de turismo de passageiros que se despistou no IC8, no distrito de Castelo Branco, às 08:17 de 27 de janeiro de 2013, e caiu para uma ravina. Do acidente resultaram 11 mortos, 22 feridos graves e 10 feridos ligeiros, bem como danos materiais.

No documento de acusação, a que a agência Lusa teve acesso, o MP imputa ao condutor do autocarro, motorista profissional e com 49 anos, 11 crimes de homicídio por negligência e oito crimes de ofensa à integridade física grave por negligência e excesso de velocidade.

Contactado pela agência Lusa, o advogado do arguido disse ter "requerido a abertura de instrução na sexta-feira", 23 de janeiro, último dia válido para o efeito, "com o objetivo de contestar e alterar o teor da acusação" através do despacho de instrução.

A acusação foi deduzida a 15 de dezembro de 2014 pelo MP na instância local da Sertã, comarca de Castelo Branco.

"Não concordo com o teor da acusação porque as conclusões dos relatórios periciais não apontam nesse sentido, ou seja, apontam causas mediatas e imediatas, mas não provam que os sinais de trânsito estavam no local nem que o meu constituinte ia a 100 quilómetros/hora, ou seja, em excesso de velocidade", concretizou Pedro Mendonça.

Para o efeito, o advogado requereu ao juiz de instrução a presença de um especialista de leitura de discos, para atestar a velocidade a que ia o condutor, e de dois condutores que utilizam o IC8 habitualmente, para confirmarem a presença, ou não, de sinais limitadores de velocidade naquele local, entre outros elementos de prova.

A acusação refere que "o arguido conduzia em excesso de velocidade, nunca inferior a 100 quilómetros por hora", num local em que a velocidade máxima permitida é de 80 quilómetros por hora, "sem tomar a atenção devida e as cautelas necessárias da via, nem às condições climatéricas que se faziam sentir [chuva]".

No local, devido às obras que ali decorriam, a superfície da via apresentava uma lomba e uma depressão, que originava um ressalto na sua transição, estando a faixa de rodagem sinalizada vertical e horizontalmente por semáforos com cor amarela.

"Por força da velocidade que imprimia ao veículo, desadequada, por excessiva, devido às características da via, e à forma desatenta como conduzia, o arguido perdeu por completo o controlo da viatura", que acabou por galgar as barreiras metálicas protetoras e cair num talude, com as consequências conhecidas, pode ler-se.

As causas do acidente, sustenta o MP, devem-se ao "desrespeito pelas regras, à conduta imprudente e à imperícia do arguido", que é ainda acusado de fazer "manobras demasiado bruscas e repentinas para a velocidade a que conduzia".

Um dos relatórios técnicos que fundamentam a decisão do MP refere que as condições de sinalização temporária na rodovia eram "deficientes", o que terá contribuído para "dificuldades acrescidas na perceção da mesma e na apreensão dos perigos", não tendo o arguido acusado álcool ou psicotrópicos nos testes de despistagem.

No relatório do Núcleo de Investigação de Acidentes de Viação (NICAV) pode ler-se que "a velocidade a que o veículo circulava teve uma contribuição decisiva para a ocorrência do acidente e para as suas consequências".

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório