Meteorologia

  • 23 JUNHO 2024
Tempo
20º
MIN 17º MÁX 29º

Peso a mais e má alimentação contribuíram para 15,8% das mortes em 2021

Excesso de peso e obesidade contribuíram, conjuntamente, para 15,8% do total de mortes em Portugal em 2021.

Peso a mais e má alimentação contribuíram para 15,8% das mortes em 2021
Notícias ao Minuto

09:34 - 28/05/24 por Notícias ao Minuto

País DGS

O excesso de peso, incluindo a obesidade, e os hábitos alimentares inadequados estão entre os principais determinantes da perda de anos de vida saudável dos portugueses contribuindo, respetivamente, para 8,3% e 7,5% do total de mortes em Portugal em 2021, segundo os dados mais recentes do Global Burden Disease Study (GBD), que conta com a colaboração da Direção-Geral da Saúde (DGS). 

Os dados deste estudo mostram que "o elevado consumo de carne vermelha, carnes processadas e sal, bem como o consumo insuficiente de cereais integrais, fruta e hortícolas foram os comportamentos alimentares inadequados que mais contribuíram para que os portugueses vivessem menos anos com saúde, no ano de 2021", destaca a DGS. 

Além da alimentação inadequada e do excesso de peso, outros determinantes da saúde, indiretamente relacionados com o modo como comemos, tais como glicose plasmática elevada e a hipertensão arterial, "são considerados os principais responsáveis em Portugal pelo aparecimento de doenças como a diabetes, neoplasias e doenças cardiovasculares e renais e pela mortalidade associada". 

A DGS destaca que foram encontradas diferenças entre homens e mulheres, sendo o contributo do excesso de peso para a carga da doença em Portugal superior nas mulheres (IMC [Índice de Massa Corporal] elevado contribuiu para 8,3% do total de DALYs [Anos de vida perdidos por morte ou incapacidade] nas mulheres vs 6,5% nos homens).

O estudo permite, também, analisar os últimos 20 anos até 2021 e perceber que a pré-obesidade e a obesidade "foram os fatores de risco que mais aumentaram a sua contribuição para da carga da doença em Portugal, contrariamente à tendência de diminuição observada para quase todos os outros fatores de risco". 

Nestes últimos 20 anos verificou-se um aumento de 28% no contributo do excesso de peso para a perda de anos de vida saudável e de 14% para o total de mortes associadas ao IMC elevado.

No mesmo período em análise, o elevado consumo de bebidas açucaradas (+37%), o elevado consumo de carne vermelha (+23%) e de carnes processadas (+22%), bem como o baixo consumo de hortícolas (+22%), foram os fatores de risco alimentar para os quais se verificou um maior aumento do seu contributo para a perda de anos de vida saudável.

A autoridade sublinha que estes dados reforçam a necessidade de intensificar os esforços para a implementação de medidas na área da prevenção e tratamento da obesidade, bem como  medidas de saúde pública que a DGS tem vindo apoiar tecnicamente, nomeadamente o imposto especial de consumo sobre as bebidas açucaradas.

De realçar que o Global Burden Disease Study (GBD) é um estudo internacional que recolhe de forma sistemática informação proveniente de 204 países cujo objetivo é fornecer informações sobre as doenças e os fatores de risco que mais contribuem para a mortalidade e para a perda de anos de vida saudável. O estudo é coordenado pelo Institute for Health Metrics and Evaluation da Universidade de Washington e conta com a colaboração da Direção-Geral da Saúde (DGS).

Leia Também: Obesidade e doenças neurológicas: Uma relação emergente?

Recomendados para si

;
Campo obrigatório