Meteorologia

  • 22 MAIO 2024
Tempo
13º
MIN 13º MÁX 22º

Obesidade e doenças neurológicas: Uma relação emergente?

Este artigo é assinado por Frederica Coimbra, médica de medicina interna do CNS - Campus Neurológico.

Obesidade e doenças neurológicas: Uma relação emergente?
Notícias ao Minuto

23:16 - 16/05/24 por Notícias ao Minuto

Lifestyle Saúde

A obesidade é um problema de saúde pública global com proporções alarmantes em todo o mundo, sendo um problema transversal a todas as faixas etárias. Em Portugal estima-se que a prevalência de obesidade seja de aproximadamente 20% na população adulta, e que uma em cada três crianças portuguesas tenha excesso de peso. Apesar de haver condições inatas predisponentes, é sobretudo uma consequência direta de erros alimentares e estilo de vida sedentário.

A obesidade não é apenas uma questão estética. É uma condição médica complexa que afeta múltiplos sistemas, incluindo o cérebro e restante sistema nervoso. Além de ser um fator de risco cardiovascular bem estabelecido no desenvolvimento de doença neurológica de origem vascular, a evolução no conhecimento científico tem revelado uma relação complexa e multifatorial entre a obesidade e doenças neurológicas, que ainda é objeto de estudo.

Leia Também: Os 10 erros básicos que comete e não o deixam ganhar massa muscular

Diversos fatores fisiopatológicos são identificados como potenciais contribuintes. Um dos principais mecanismos, através dos quais a obesidade afeta o cérebro, é a promoção de um estado de inflamação crônica, que pode desencadear respostas neuroinflamatórias prejudiciais, contribuindo para a progressão de doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla.

A resistência à insulina, uma característica comum da obesidade, não só aumenta o risco de Diabetes Mellitus tipo 2, mas, também, desempenha um papel crucial na patogénese de doenças neurológicas. A disfunção metabólica associada à resistência à insulina pode levar a desequilíbrios no metabolismo cerebral e ao acúmulo de proteínas tóxicas, características da doença de Alzheimer. Existe evidência que o risco de doença de Alzheimer nos obesos é duas vezes superior em comparação com indivíduos com peso normal.

Leia Também: O alimento popular que todos conhecemos e faz maravilhas ao coração

Além dos aspetos metabólicos, a obesidade influencia negativamente o funcionamento do sistema nervoso central através de distúrbios do sono, como a apneia obstrutiva do sono, que estão associados a um maior risco de declínio cognitivo e demência. A privação crônica de sono interfere nos processos de consolidação da memória e pode agravar os sintomas de doenças neurológicas pré-existentes.

É importante destacar que a relação entre obesidade e doenças neurológicas é bidirecional. Ou seja, não apenas a obesidade aumenta o risco de desenvolver doenças neurológicas, como, por outro lado, certas condições neurológicas também podem contribuir para a obesidade, seja por diminuição na atividade física, por limitação na mobilidade, ou como consequência de efeitos secundários de medicamentos, entre outros.

Diante deste panorama preocupante, é imperativo adotar abordagens integradas e holísticas para prevenir e tratar tanto a obesidade, como as doenças neurológicas. Isso inclui intervenções que promovam a adoção de estilos de vida saudáveis, como dieta equilibrada e atividade física regular, além do tratamento de condições médicas subjacentes.

Leia Também: Nutricionista revela os alimentos que atrasam o envelhecimento da pele

Recomendados para si

;

Receba dicas para uma vida melhor!

Moda e Beleza, Férias, Viagens, Hotéis e Restaurantes, Emprego, Espiritualidade, Relações e Sexo, Saúde e Perda de Peso

Obrigado por ter ativado as notificações de Lifestyle ao Minuto.

É um serviço gratuito, que pode sempre desativar.

Notícias ao Minuto Saber mais sobre notificações do browser

Campo obrigatório