Meteorologia

  • 14 ABRIL 2024
Tempo
20º
MIN 18º MÁX 29º

Professor agrediu aluno? Mãe fez queixa na PSP. Escola "não confirma"

O menor, de 10 anos, foi diagnosticado com hiperatividade e défice de atenção e autismo. Apesar de a escola não confirmar o ocorrido - que foi denunciado à PSP - o Notícias ao Minuto teve acesso a um documento que dá conta que a instituição instaurou "um processo de inquirição para esclarecer os factos".

Professor agrediu aluno? Mãe fez queixa na PSP. Escola "não confirma"

Um aluno de 10 anos terá sido alegadamente agredido por um professor, no dia 16 de novembro do ano passado, na Escola Básica 2/3 Guilherme Stephens, na Marinha Grande. A mãe do menor fez uma queixa à Polícia de Segurança Pública (PSP), conforme o Notícias ao Minuto apurou junto da autoridade.

De acordo com a mãe do menino, o filho terá sido agredido durante uma aula, diante de toda a turma.

"O professor sentou-se em cima dele para o imobilizar, calcou-lhe o rosto contra o chão várias vezes, empurrou o seu pescoço contra o chão e deu-lhe várias bofetadas", descreve a encarregada de educação em comunicado enviado ao Notícias ao Minuto, acrescentando que acompanhou o filho ao hospital, que foi tratado por "escoriações sobre a região cervical posterior dorsal alta e sobre as omoplatas" - conforme se pode ver na imagem abaixo.

Notícias ao Minuto© Reprodução

O ocorrido aconteceu "durante uma crise de desestabilização emocional" do menino que, dias antes do ocorrido, foi diagnosticado com "perturbação de hiperatividade e défice de atenção e perturbação do espetro do autismo" - sendo que todo o processo clínico já era do conhecimento da escola.

Após o episódio, o menino recusou-se a ir a escola no dia seguinte. "Durante as duas semanas seguintes foi muito difícil ele querer ir à escola, com medo e vergonha. O meu filho sentiu-se humilhado (...) A diretora de turma informou-me que todas as faltas que o meu filho desse, eram injustificadas e vi-me forçada a ter de obrigar o meu filho a ir [para a escola]", conta a mãe.

Nesse sentido, o menino "continua a conviver com este professor diariamente" nas aulas em que frequenta e num clube de música promovido pela escola.

Escola recusou "explicações" sobre "a suposta agressão"

Apesar de a encarregada de educação ter pedido esclarecimentos à direção do estabelecimento de ensino, ter-lhe-ão sido "recusadas explicações", tendo a escola decidido pela expulsão do aluno "durante cinco dias" - decisão essa "de caráter suspenso por seis meses" até eventual novo episódio de crise.

A mãe do menor afirmou que "nenhuma medida foi tomada por parte da escola" relativamente ao alegado comportamento agressivo do docente. Aliás, acrescenta que os pais dos outros colegas não foram sequer informados do sucedido por parte da direção escolar.

Contactada telefonicamente pelo Notícias ao Minuto, a direção da escola não confirmou "a suposta agressão" e recusou-se a prestar qualquer esclarecimento sobre o caso. No entanto, segundo uma ata de reunião a que tivemos acesso, o diretor escolar clarificou que foi "instaurado um processo de inquirição para esclarecer os factos".

Por sua vez, a Polícia de Segurança Pública (PSP) de Leiria confirmou ao Notícias ao Minuto que "a esquadra da Marinha Grande rececionou uma denúncia" sobre agressão ao menor, cujos autos foram remetidos à Autoridade Judiciária competente.

Por agora, "desconhece-se o estado da investigação", contudo, apesar de esta não estar ao cargo da PSP, a autoridade está "a promover outras diligências para apuramento dos factos e proteção do menor".

Leia Também: Aluno de 11 anos sodomizado por oito colegas em escola de Vimioso

Recomendados para si

;
Campo obrigatório