Meteorologia

  • 22 ABRIL 2024
Tempo
22º
MIN 15º MÁX 27º

Cancro? Registo nacional de 2020 confirma impacto negativo da pandemia

A pandemia da Covid-19 teve um impacto negativo na prestação de cuidados do cancro em 2020, confirma o Registo Oncológico Nacional (RON) hoje divulgado que previa o aparecimento de mais casos face aos que foram registados.

Cancro? Registo nacional de 2020 confirma impacto negativo da pandemia
Notícias ao Minuto

08:04 - 15/01/24 por Lusa

País Cancro

As previsões para 2020 -- ano fortemente marcado pela pandemia -- apontavam para 60.000 a 65.000 o número de novos casos de cancro, tendo sido registados 52.723, menos 9% o que em 2019, e uma diferença de 15 a 24% face ao previsto.

Em declarações à agência Lusa, a coordenadora do RON, Maria José Bento, mostrou-se preocupada com os atrasos no diagnóstico e no tratamento, algo que, disse, "deverá ter expressão nos dados de 2021 ou 2022, traduzindo-se em mais morbilidade e mortalidade" por cancro.

"Uma das explicações está na interrupção dos rastreios. Há patologias onde o diagnóstico precoce é muito importante para o sucesso do tratamento e para mais probabilidades de sobrevivência. Isto provavelmente vai-se refletir nos anos seguintes em pior morbilidade e maior mortalidade", considerou.

A também diretora do serviço de Epidemiologia do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto destacou, além da paragem e diminuição dos rastreios, o facto das pessoas, sobretudo ao longo da primeira vaga de Covid-19, se terem resguardado mais e terem procurado menos o médico de família.

"Para situações com sintomatologia mais forte, cancro mais avançado, as pessoas continuaram a dirigir-se aos serviços de saúde. Pessoas com novas suspeitas não recorreram aos cuidados de saúde da mesma maneira até porque muitos hospitais -- não foi o caso do IPO -- eram hospitais Covid-19. Houve diminuição dos diagnósticos", analisou.

Dando o exemplo do IPO do Porto, a especialista referiu que o grande impacto na diminuição dos diagnósticos aconteceu na primeira vaga de março a maio.

"Já na segunda e na terceira vagas os serviços parecerem mais resilientes", observou Maria José Bento.

Segundo a epidemiologista, a diminuição do número de casos de cancro foi transversal ao sexo, faixa etária e a todos os distritos do país.

A diminuição foi mais evidente nos cancros do estômago, do cólon, do reto, do pulmão, da mama, da próstata e da tiroide.

O número de novos casos de cancro registado em 2018 foi 50.428. Já em 2019 foram registados 57.878 novos casos, mais 15% face ao ano anterior.

Em 2020, o RON -- registo alimentado de informação de todos os hospitais públicos e privados -- tem 52.723 novos casos registados.

Destes, 54% foram em homens, 40% em pessoas com idade entre os 60 e os 74 anos e 7,5% em pessoas com menos de 45 anos.

Os cancros mais frequentes foram o cancro da mama, colorretal, próstata e pulmão.

O cancro da mama representa 31% do cancro na mulher, e o cancro da próstata representa 11% do cancro no homem.

"Nada foge ao padrão habitual, nem nas patologias de cancro, nem no sexo, nem nas idades", afirmou Maria José Bento.

O RON 2020 mostra que a taxa de novos cancros é superior nos distritos do Continente Litoral, dado que a especialista acredita que "os estilos de vida, nomeadamente os hábitos tabágicos", explicou.

Soma-se, em termos de análise territorial, maior percentagem de novos casos de cancro na Região Autónoma da Madeira.

Leia Também: Cancros da mama e colorretal entre os mais frequentes em 2020

Recomendados para si

;
Campo obrigatório