Meteorologia

  • 13 ABRIL 2024
Tempo
17º
MIN 17º MÁX 29º

Fake News: Portugal ocupa 14.º lugar no índice de literacia mediática

Portugal ocupa o 14.º lugar no índice de literacia mediática 2022 num total de 41 países, ficando à frente de Espanha e França, com a Finlândia a liderar a classificação, de acordo com o relatório divulgado esta semana.

Fake News: Portugal ocupa 14.º lugar no índice de literacia mediática
Notícias ao Minuto

12:45 - 13/10/22 por Lusa

País Jornalismo

O documento 'How it started, how it is going: Media Literacy Index 2022' avalia nesta edição a vulnerabilidade de 41 países na Europa às 'fake news', ou seja, desinformação, e fenómenos relacionados, utilizando indicadores de liberdade dos media, educação e confiança interpessoal.

Este é o primeiro índice que inclui a maioria dos países da Europa - 41 no total - comparativamente com os 35 países incluídos nas edições anteriores.

Destaca-se que os países do Norte e da Europa Ocidental "têm maior potencial de resiliência" às 'fake news' devido à melhor educação, media livres e maior confiança entre pessoas. Em sentido inverso, no Sudeste e Leste Europeu, os países são "geralmente mais vulneráveis a efeitos negativos das 'fake news' e pós-verdade, com os media controlados, deficiências na educação e menor confiança na sociedade", lê-se no relatório.

O 'top 10' do índice de literacia mediática de 2022 é liderado pela Finlândia, seguida da Noruega, Dinamarca, Estónia e Irlanda. Em sexto surge a Suécia, seguida da Suíça, Países Baixos, Alemanha, e Islândia.

Ainda à frente de Portugal está o Reino Unido, que ocupa o 11.º lugar, a Áustria e a Bélgica.

Em 14.º lugar, Portugal fica à frente de Espanha (15.º) e França (16.º). Lituânia, República Checa, Polónia e Eslovénia estão classificados nas posições seguintes, encerrando o 'top 20'.

Por exemplo, a Itália surge em 23.º lugar, a Hungria em 27.º e a Ucrânia em 29.º, à frente da Grécia (30.º).

A Turquia está em 36.º no índice de literacia mediática.

O último lugar da tabela é ocupado pela Georgia, antecedido pela Macedónia do Norte (40.º), Kosovo (39.º), Bósnia-Herzegovina (38.º) e Albânia (38.º).

O relatório destaca que a liberdade dos media é "um pré-requisito fundamental para enfrentar os problemas das 'fake news', inclusive no contexto da salvaguarda da democracia".

Aliás, "a educação continua a ser uma componente essencial na abordagem dos problemas" da desinformação "com formação dirigida à literacia mediática tanto para jovens como adultos", é referido no documento.

"Como a educação e a consciencialização continuam a ser soluções de longo prazo, medidas regulatórias também são necessárias no curto prazo para enfrentar a erosão da democracia e também os desafios geopolíticos", é outra das conclusões do relatório que apresenta os resultados do projeto Media Literacy Index da European Policies Initiative (EuPI) do Open Society Institute - Foundation Sofia (OSI -Sofia).

Leia Também: Fake News: Associação quer alargar projeto de literacia a seniores

Recomendados para si

;
Campo obrigatório