Meteorologia

  • 22 JUNHO 2021
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 23º

Edição

Cerca de 20 pessoas manifestam-se em Lisboa contra "genocídio" no Brasil

Pouco mais de duas dezenas de pessoas, a grande maioria brasileiros, manifestaram-se hoje em Lisboa, contra a política do Presidente do Brasil na gestão da pandemia de covid-19, que acusam de causar um "genocídio" no país.

Cerca de 20 pessoas manifestam-se em Lisboa contra "genocídio" no Brasil
Notícias ao Minuto

21:02 - 07/05/21 por Lusa

País Covid-19

Nos cartazes que ergueram, a frase que mais se destacava era "Bolsonaro Genocida".

Uma iniciativa pacífica, mas ainda assim marcada por trocas de palavras acesas entre dois elementos pró-Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, que pasaram pelo local, e os manifestantes.

Num dos casos, a polícia interveio para acalmar os ânimos, sobretudo do homem que defendia o Presidente enquanto filmava o protesto.

Noutro caso, um motociclista gritou ao longe "viva o Presidente".

Cem cruzes brancas, afixadas no relvado da Alameda D. Afonso Henriques simbolizaram a homenagem que os organizadores da inicitiva quiseram prestar às mais de 400 mil vitímas mortais da pandemia de covid-19, mas também às 25 pessoas que morreram na manhã de quinta-feira, na sequência de uma violenta ação policial contra um grupo criminoso na comunidade do Jacarezinho, na cidade brasileira do Rio de Janeiro.

Depois dos Estados Unidos e da Índia, o Brasil é o segundo país no mundo com mais casos positivos de covid-19 em números absolutos e contabiliza quase 417 mil vítimas mortais (416.949).

"Imfelizmente todos os dias há novidades más no Brasil, ontem [quinta-feira] foi a volta dos massacres. Não é uma coisa que não tenha ococrrido noutros governos", disse à Lusa Carlos Vianna, membro da Casa do Brasil em Lisboa, uma das entidades que promoveu a iniciativa de hoje na Alameda.

Mas para Carlos Vianna, "infelizmente", também "há um apoio social no Brasil à ideia de matar indiscriminadamente" e isto porque o país está dividido "social, racialmente, ideologicamnete e pretos e pobres são o pior da sociedade para uma certa classe, para uma parcela considerável da população".

O ativista defendeu que se não houver oposição "fora e dentro do Brasil" a situação vai continuar e considerou que a gestão de Bolsonaro "é um desastre evidente".

Vianna deixou um apelo ao Governo português para que "não ratifique o acordo União Europeia-Mercosul com Bolsonaro no poder, porque isto significará praticamente a única vitória política ou diplomática do atual Governo brasileiro".

Hoje, obedecendo às regras para evitar a propagação da covid-19, a iniciativa simbolizou "um velório" por todas as vítimas de uma política que tem conduzido à morte de milhares de pessoas, considerou o representante.

O protesto decorreu também nas cidades de Aveiro e do Porto.

Em Aveiro foi promovida pelo Coletivo Alvorada Aveiro, em Lisboa foi organizada pelo Coletivo Andorinha, Frente Democrática Brasileira e Casa do Brasil de Lisboa, e no Porto, pela Solidariedade Brasileira.

"Além da solidariedade a todas as famílias que perderam entes queridos e ao povo brasileiro, a ação teve por objetivo denunciar as ações desastrosas do governo de Jair Bolsonaro na gestão da pandemia de Covid-19 e o caráter genocida do seu projeto político", afirmam os organizadores da ação de Lisboa.

A multiplicação de contágios ocorre "na esteira do negacionismo incentivado pelo governo federal, que teve como estratégia promover o aumento do número de contaminações para que o país chegasse a uma suposta 'imunidade de rebanho', opção que já havia sido considerada ineficiente por autoridades de saúde mundiais", referem.

Além de negar vacinas, o governo de Bolsonaro deve ser responsabilizado pela falta de equipamentos nas unidades de saúde, como máscaras, equipamentos de proteção individual, respiradores, kits de intubação e oxigénio, sublinham.

As denúncias de genocídio também dizem respeito às ações e omissões do governo federal sobre os povos indígenas durante a pandemia, referem.

Leia Também: Brasil reporta mais de 73 mil casos e supera os 15 milhões de contágios

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Quinto ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório