Meteorologia

  • 23 FEVEREIRO 2020
Tempo
17º
MIN 11º MÁX 23º

Edição

Áreas agrícolas de valor natural podem resolver desafios socioecológicos

Uma equipa internacional liderada por investigadores do Centro de Investigação em Biodiversidade e Recursos Genéticos (CIBIO-InBIO) concluiu que as áreas agrícolas de elevado valor natural podem ajudar a sociedade a "resolver desafios socioecológicos atuais e futuros", foi hoje anunciado.

Áreas agrícolas de valor natural podem resolver desafios socioecológicos

Em comunicado, o centro da Universidade do Porto adianta hoje que o estudo, publicado na revista 'Frontiers in Ecology and the Environment', destaca a importância destas áreas que, devido à intensificação e ao abandono da agricultura, "têm vindo a sofrer um considerável declínio".

"Reverter esta tendência global de declínio terá de passar, inevitavelmente, por aumentar o reconhecimento público dos inúmeros bens e serviços públicos que estas paisagens fornecem à sociedade, bem como melhorar a compensação aos agricultores que continuam a manter estes sistemas de produção", defende o centro.

Segundo o CIBIO-InBIO, "mais de 30% da área agrícola" da União Europeia é considerada de elevado valor natural, assim como as paisagens de Satoayama no Japão, os sistemas de produção agrícola na região Western Ghats na Indía e os socalcos Hani no Sul da China.

O estudo, que envolveu 11 investigadores do CIBIO-InBIO e do Instituto de Ciências Agrárias e Ambientais Mediterrânicas (ICAAM), além de salientar a importância destas áreas, avança também com orientações para promover a sua "sustentabilidade socioecológica".

"Os autores apresentam (...) um conjunto de orientações a serem implementadas para a manutenção destas paisagens, entre as quais se incluem a melhoria dos serviços públicos disponíveis às comunidades rurais, o desenho de novos usos para os bens produzidos ou o desenvolvimento e promoção de novas oportunidades de negócio associadas às explorações agrícolas de elevado valor natural", frisa o CIBIO-InBIO.

Citada no comunicado, Ângela Lomba, investigadora do CIBIO-InBIO e líder do grupo, salienta que estas áreas "constituem um património importante e podem apoiar a sociedade na resolução de desafios socioecológicos atuais e futuros'".

Contudo, a investigadora acredita que "é necessária uma mudança de paradigma social" para assegurar que estas áreas e os seus sistemas de produção "sejam socioeconómica e ecologicamente viáveis no futuro e, ao mesmo tempo, apelativos às gerações futuras".

Também o investigador Francisco Moreira, do CIBIO-InBIO, salienta que a valorização destas áreas "implica uma mudança nas estratégias atualmente estáticas e setoriais".

Para o investigador, estas estratégias devem ser baseadas em "apoios financeiros" aos agricultores, assim como "no fortalecimento da relação entre pessoas e natureza para promoção da sustentabilidade socioeconómica e socioecológica" destas áreas.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo quarto ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório