Meteorologia

  • 22 NOVEMBRO 2019
Tempo
15º
MIN 13º MÁX 18º

Edição

Menina encontrada morta dentro de carro do pai morreu asfixiada

Corpo não tinha sinais de violência. Criança tinha sido raptada de casa dos avós na segunda-feira.

Menina encontrada morta dentro de carro do pai morreu asfixiada

A menina de dois anos e meio encontrada morta, pelas 8h30 desta terça-feira, dentro da bagageira do veículo do pai, estacionado em Corroios, morreu asfixiada, avança a TVI24.

A mesma fonte adianta que o corpo da menina, que foi raptada pelo próprio pai de casa dos avós, na manhã de segunda-feira, depois deste,  alegadamente, ter esfaqueado a sogra até à morte, não apresentava sinais de violência.

o corpo do homem foi encontrado pelas 11h00, a cerca de 200 quilómetros de distância, em Castanheira de Pera, distrito de Leiria, com um ferimento de arma de fogo.

Notícias ao Minuto está a tentar confirmar estas informações com as autoridades.

O caso remonta à manhã de segunda-feira, dia 4 de fevereiro. O alegado duplo homicida ter-se-á dirigido a casa dos sogros, no Seixal, onde a ex-mulher também estaria a viver com a filha de ambos. Nessa altura, testemunhas chamaram as autoridades por suspeitas de um caso de violência doméstica. Quando a PSP chegou ao local, a mulher, com cerca de 60 anos, já estava morta e o genro em fuga com a menina.

O desfecho da história, que já era trágica, ganhou contornos ainda mais chocantes na manhã desta terça-feira. O INEM recebeu uma chamada, supostamente do homicida, com a localização do corpo da menina. Pouco depois, as autoridades acabavam por encontrar a criança, já sem vida, no porta-bagagens do veículo do homem, abandonado junto ao McDonald's de Corroios.

Além de ter revelado onde tinha deixado o corpo da filha. O suspeito disse que iria cometer suicídio. E fê-lo. Foi encontrado, duas horas mais tarde, junto à casa dos pais, em Castanheira de Pera. Sabe-se agora que já tinha pelo menos um processo por violência doméstica.

Na segunda-feira, dia em que terá cometido o primeiro crime, o suspeito e a ex-mulher tinham marcada uma sessão destinada a regular as responsabilidades parentais sobre a criança. O ex-casal não se entendia sobre o tempo que a menina devia passar com cada um dos progenitores.

A Polícia Judiciária continua a investigar o caso. Já o corpo da menina seguiu para o Instituto de Medicina Legal para ser autopsiado.

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Acompanhe o site eleito pelo segundo ano consecutivo Escolha do Consumidor.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download Google Play Download

Campo obrigatório