Meteorologia

  • 13 JULHO 2024
Tempo
16º
MIN 15º MÁX 25º

Cisjordânia. Mais sanções dos EUA contra israelitas acusados de violência

Os Estados Unidos anunciaram hoje novas sanções contra extremistas israelitas acusados de incitar à violência na Cisjordânia ocupada.

Cisjordânia. Mais sanções dos EUA contra israelitas acusados de violência
Notícias ao Minuto

17:05 - 11/07/24 por Lusa

Mundo Israel/Palestina

"Hoje, impomos sanções a três pessoas e a cinco entidades israelitas ligados a atos de violência contra civis na Cisjordânia", anunciou o Departamento de Estado, acrescentando estar envolvida nomeadamente a organização Lehava, de Ben Zion Gopstein.

 

Principal apoiante de Israel, Washington acusou esta organização extremista de ter estado "envolvida em repetidos atos de violência contra os palestinianos".

O Departamento de Estado sancionou igualmente quatro postos avançados de colonatos "utilizados como base para ações violentas destinadas a deslocar os palestinianos".

"Estes postos avançados têm sido utilizados para perturbar o pastoreio, restringir o acesso a poços e lançar ataques violentos contra palestinianos vizinhos", segundo a mesma fonte.

Os postos avançados, conhecidos como colonatos "selvagens", são construídos sem autorização de Israel, que ocupa a Cisjordânia desde 1967 e onde a violência aumentou drasticamente desde o início da guerra entre Israel e o Hamas na Faixa de Gaza.

Foram instalados dezenas destes postos, com a sua dimensão a variar entre algumas tendas e edifícios pré-fabricados ligados às redes de água e eletricidade.

Quer sejam ou não autorizadas pelas autoridades israelitas, todas as atividades de implantação de colonatos na Cisjordânia são ilegais à luz do direito internacional.

"Os Estados Unidos continuam profundamente preocupados com a violência extremista e a instabilidade na Cisjordânia, que comprometem a segurança de Israel" e "encorajam o governo israelita a tomar medidas imediatas para responsabilizar esses indivíduos e entidades", acrescentou o Departamento de Estado, em comunicado divulgado.

Em junho, várias ONG acusaram o exército israelita de apoiar ativamente a violência de certos colonos judeus, encorajados por ministros de extrema-direita.

As sanções americanas, que são em grande parte simbólicas, congelam todos os bens destes indivíduos ou entidades nos Estados Unidos e proíbem quaisquer transações financeiras.

Cerca de 490.000 israelitas vivem nestes colonatos na Cisjordânia, entre três milhões de palestinianos.

A ONU tem também apelado a Israel, sem sucesso, para que "congele todas as atividades de colonização" na Cisjordânia.

No início do mês, o Governo israelita aprovou planos para construir quase 5.300 novas casas em colonatos na Cisjordânia ocupada, acelerando o controlo da região.

Segundo o grupo Peace Now, o Conselho Superior de Planeamento do governo israelita aprovou ou avançou com planos para edificação de 5.295 casas em dezenas de colonatos.

A decisão tem como consequência consolidar o controlo israelita sobre território da Cisjordânia e impedir o estabelecimento de um futuro Estado palestiniano.

A campanha acelerada de colonização na Cisjordânia ameaça aumentar ainda mais as tensões na região, que tem assistido a um pico de violência desde o início da guerra em Gaza, em 07 de outubro.

Os palestinianos procuram aumentar o controlo sobre a Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Gaza -- áreas capturadas por Israel na guerra de 1967 no Médio Oriente -- tendo em vista o estabelecimento de um Estado independente, cujo apoio internacional tem vindo a crescer.

Leia Também: G7 condena legalização por Israel de 5 colonatos na Cisjordânia ocupada

Recomendados para si

;
Campo obrigatório