Meteorologia

  • 22 JUNHO 2024
Tempo
27º
MIN 14º MÁX 27º

MNE da Hungria visita Bielorrússia apesar das sanções da UE

O chefe da diplomacia húngara, Péter Szijjártóv, efetuou hoje uma visita oficial à Bielorrússia para o reforço das relações mútuas, apesar das sanções da União Europeia (UE) contra o país.

MNE da Hungria visita Bielorrússia apesar das sanções da UE
Notícias ao Minuto

20:38 - 29/05/24 por Lusa

Mundo Péter Szijjártóv

Szijjártóv declarou que a posição húngara "é clara: menos sanções e mais cooperação!".

A União Europeia (UE) impôs um draconiano pacote de sanções pela repressão, na sequência dos protestos de massas após as eleições presidenciais de 2020 consideradas fraudulentas pela oposição e o ocidente.

O isolamento da Bielorrússia agravou-se após o autoritário Presidente Alexander Lukashenko ter permitido à Rússia que utilizasse o seu território para desencadear a invasão em larga escala da Ucrânia em 24 de fevereiro de 2022.

Ao argumentar que "as sanções não funcionam", Szijjártóv assinalou no entanto que a Hungria "intensificou a cooperação económica com a Bielorrússia em áreas não afetadas pelas sanções".

"Vamos fornecer o apoio necessário para desenvolver a cooperação", disse. "Discutimos de forma aberta, não escondemos nada".

Responsáveis oficiais bielorrussos e húngaros assinaram um acordo de cooperação sobre energia nuclear que prevê o treino de pessoal e o controlo do lixo radioativo.

A Hungria coopera igualmente com a Rússia para a instalação de um novo reator na sua central nuclear de Paks, que deverá estar operacional no final da corrente década. A Bielorrússia também possui uma central nuclear de origem russa.

O ministro dos Negócios Estrangeiros bielorrusso, Sergei Aleinik, manifestou esperança que a presidência rotativa semestral da União Europeia (UE), que a Hungria assume em julho, poderá encorajar "perspetivas saudáveis" na Europa.

A Viasna, o mais antigo grupo de direitos humanos, tem-se referido a 1.400 presos políticos na Bielorrússia, incluindo o fundador do grupo, Ales Bialiatski, prémio Nobel da Paz em 2022.

A líder da oposição bielorrussa Sviatlana Tsikhanouskaya, que desafiou Lukashenko nas presidenciais de 2020 e foi forçada a abandonar o país após a votação, aproveitou para criticar a visita de Szijjártóv a Minsk, apesar das sanções da UE.

"Esta visita é absolutamente inaceitável e imoral", disse em declarações à agência noticiosa Associated Press (AP).

Leia Também: Hungria critica fim de procedimento do "Estado de direito" à Polónia

Recomendados para si

;
Campo obrigatório