Meteorologia

  • 24 JUNHO 2024
Tempo
28º
MIN 17º MÁX 29º

Israel diz que adesão da Palestina à ONU é "recompensa para o terrorismo"

Israel defendeu hoje no Conselho de Segurança da ONU que a aprovação de uma resolução sobre a admissão plena da Palestina na organização seria "a maior recompensa para o terrorismo".

Israel diz que adesão da Palestina à ONU é "recompensa para o terrorismo"
Notícias ao Minuto

17:59 - 18/04/24 por Lusa

Mundo ONU

O embaixador de Israel na ONU, Gilad Erdan, sustentou que, a ser aprovada, esta resolução "terá impacto zero nas partes", além de "causar destruição durante anos e prejudicar qualquer possibilidade de diálogo futuro".

O diplomata recordou que o dia 07 de outubro -- data do ataque do grupo islamita palestiniano Hamas contra Israel -- foi "o maior massacre de judeus depois do Holocausto", e apesar disso, "este Conselho tenta recompensar os seus perpetradores e aqueles que os apoiam com um Estado".

Gilad Erdan acrescentou que "os violadores do Hamas devem estar a assistir a esta reunião e a sorrir".

Além desta retórica, o diplomata alegou que a Palestina não atende aos requisitos de um Estado para integrar a ONU, referindo uma população permanente, um território definido, a capacidade de ter relações externas com outros Estados e, "o mais importante, que seja um Estado amante da paz".

"Que piada! Alguém duvida que os palestinianos não podem cumprir esses critérios?", proclamou, questionando ainda: "Acreditam realmente que esta resolução tornará uma solução mais possível ou mudará alguma coisa no terreno?"

Erdan proferiu o seu discurso numa sala cheia de ministros e enviados internacionais, que, na maioria, apoiam um futuro Estado Palestiniano.

Na mesma reunião, o enviado da Autoridade Palestiniana à ONU, Ziad Abu Amr, defendeu que a Palestina apenas pede uma resolução semelhante àquela que permitiu a adesão de Israel às Nações Unidas.

Esta mensagem foi dirigida sobretudo aos Estados Unidos e a alguns países da União Europeia (UE) que pedem que o Estado palestiniano seja o resultado de negociações com Israel e não através de uma resolução.

"Como foi reconhecido o Estado de Israel? Através de uma resolução da ONU, número 181.º", lembrou Ziad Abu Amr.

A resolução citada da Assembleia-Geral da ONU foi a que em 1947 permitiu que Israel entrasse como o 59.º Estado da organização multilateral, atualmente liderada por António Guterres.

Além disso, Abu Amr sublinhou que nos 12 anos em que o seu país tem sido um "estado observador" na ONU, um estatuto que só partilha com o Vaticano, "desempenhou um papel positivo e construtivo".

A posição do político, que foi vice-primeiro-ministro da Autoridade Palestiniana entre junho de 2013 e março deste ano, foi expressada no mesmo dia em que o secretário-geral da ONU, António Guterres, defendeu o "fim da ocupação" e o "estabelecimento de um Estado Palestiniano totalmente independente".

Num debate de nível ministerial do Conselho de Segurança da ONU sobre a situação no Médio Oriente e a poucas horas de ser votada uma resolução sobre a adesão plena da Palestina à ONU, Guterres voltou a defender uma solução de dois Estados, com "Israel e a Palestina a viver lado a lado em paz e segurança", com base em resoluções da própria organização, no direito internacional e em acordos anteriores.

O Conselho de Segurança da ONU vota hoje um projeto de resolução da autoria da Argélia que recomenda a admissão do Estado da Palestina como membro pleno da ONU.

Contudo, os Estados Unidos, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança e com poder de veto, opõem-se à iniciativa pelo reconhecimento unilateral da Palestina e deverão votar contra, impossibilitando a aprovação.

A votação ocorre em plena guerra na Faixa de Gaza, que opõe há mais de seis meses Israel e o grupo islamita palestiniano Hamas, e que ameaça alastrar-se a outras regiões no Médio Oriente e envolver o Irão, que atacou o Estado judaico no passado fim de semana em resposta a um bombardeamento atribuído às forças de Telavive que visou o consulado iraniano em Damasco (Síria).

Leia Também: "É hora de o Conselho de Segurança fazer justiça ao povo palestiniano"

Recomendados para si

;
Campo obrigatório