Meteorologia

  • 19 ABRIL 2024
Tempo
18º
MIN 15º MÁX 21º

Cuba pede pela primeira vez ajuda ao Programa Alimentar Mundial da ONU

O Governo de Cuba pediu pela primeira vez ajuda ao Programa Alimentar Mundial (PAM), devido às dificuldades em continuar a distribuir leite às crianças menores de sete anos, confirmou hoje a agência especializada da ONU.

Cuba pede pela primeira vez ajuda ao Programa Alimentar Mundial da ONU
Notícias ao Minuto

19:59 - 28/02/24 por Lusa

Mundo PAM

Segundo o PAM, a direção executiva da organização, que se define como "a maior organização humanitária do mundo", recebeu uma comunicação oficial de Havana e já está a enviar leite em pó para a ilha do Caribe.

"Confirmamos que o PAM recebeu uma mensagem oficial do Governo [cubano] solicitando apoio para continuar a distribuição mensal de um quilograma de leite destinado a meninas e meninos menores de sete anos em todo o país", indicou por escrito a delegação do PAM na ilha , citado pela agência de notícias espanhola Efe.

Referindo uma "necessidade urgente", o Programa das Nações Unidas sublinhou "a importância deste pedido", especialmente no contexto da "profunda crise económica que Cuba enfrenta", que está a afectar "significativamente a segurança alimentar e nutricional da população".

O executivo de Havana não divulgou nem o pedido, nem as primeiras contribuições internacionais, apesar de há semanas a falar do problema.

A organização multilateral também confirmou que "é a primeira vez que Cuba pede ajuda enviando uma comunicação oficial ao mais alto nível da direção do PAM", embora o programa tenha vários projetos na ilha já há algum tempo.

Segundo duas fontes com conhecimento do pedido, o Ministério de Comércio Externo e Investimento Estrangeiro (Mincex) envia a carta à direção executiva do PAM, em Roma, nos finais do ano passado.

Na sequência desta carta, o PAM indicou que este mês conseguiu entregar "144 toneladas de leite em pó desnatado", beneficiando quase 48.000 crianças com idades compreendidas entre sete meses e três anos em Pinar del Río e Havana. Este número corresponde a apenas 6% das crianças a quem o Governo tenciona distribuir leite subsidiado.

Além disso, de acordo com o PAM, o pedido cubano "não refere um prazo explícito" - não pede apoio por um período de tempo limitado -, pelo que a agência multilateral está a tentar "mobilizar recursos adicionais".

“Estamos em constante diálogo com doadores tradicionais e não tradicionais, explorando diversas opções que facilitam tanto a doação como o financiamento”, afirmou o PAM.

Há anos que o leite é um bem escasso em Cuba, embora em geral as crianças até aos sete anos (e pessoas com dietas especiais) possam contar com uma determinada quantidade de leite em pó por mês, através de um cartão de racionamento, pelo que o obtive um preço altamente subsidiado (2,5 pesos por quilo, cerca de 19 cêntimos de euro).

Contudo, a disponibilização de leite pelo Estado se deteriorou nos últimos meses. Algumas províncias reduziram os números da população prioritária ou reduziram os quantidades que entregam, ao passo que outras obtiveram a distribuição de bebidas vitaminadas como substitutas.

A ministra do Comércio Interno, Betsy Díaz Velázquez, declarou em meados de fevereiro que a produção nacional de leite é insuficiente e que há problemas para importar a quantidade necessária, razão pela qual o Estado não consegue dar resposta à procura de "mais de 2.000 toneladas" meses de leite para os menores de sete anos e pessoas com necessidades alimentares especiais.

É possível encontrar em Cuba leite líquido e em pó em algumas empresas do incipiente setor privado do país, mas a preços inacessíveis para a imensa maioria dos cubanos: o quilo de leite em pó pode custar entre 1.500 e 2.000 pesos (58 e 77 euros) , quando o salário médio mensal é de 4.200 pesos (cerca de 160 euros).

As dificuldades económicas crónicas de Cuba degeneraram há três anos numa grave crise por causa da pandemia, do agravamento das avaliações económicas dos Estados Unidos e das decisões de política macroeconómica, comercial e monetária nacional.

A situação é especialmente flagrante na escassez de bens de primeira necessidade (alimentos, combustíveis e medicamentos). Cuba importa 80% do que consome e tem sérios problemas para obter as divisões do que precisa para importar bens.

Nos últimos meses, muitos dos produtos que ainda estão incluídos no cartão de racionamento, como arroz, café e óleo, foram distribuídos de forma irregular ou em quantidades mínimas. Contanto que filas em volta dos armazéns que entregam os produtos subsidiados sejam permanentes.

Recentemente, o Governo informou que não conseguiu garantir o fornecimento do pão através do cartão de racionamento em fevereiro e março, devido a problemas de abastecimento de farinha.

Leia Também: Incêndio em habitação faz sete desalojados em Cuba

Recomendados para si

;
Campo obrigatório