Meteorologia

  • 25 ABRIL 2024
Tempo
16º
MIN 13º MÁX 19º

Alto Comissário da ONU chocado com execuções de civis no Mali

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos comunicou hoje estar "chocado com as alegações credíveis de que as forças armadas do Mali executaram pelo menos 25 pessoas na região central de Nara, a 26 de janeiro".

Alto Comissário da ONU chocado com execuções de civis no Mali
Notícias ao Minuto

15:37 - 01/02/24 por Lusa

Mundo ONU

Além destas alegadas execuções sumárias, Volker Türk manifestou-se também alarmado com a informação de que cerca de 30 civis foram mortos "em ataques de indivíduos armados ainda não identificados em duas outras aldeias - Ogota e Oimbe - na região de Bandiagara durante o fim de semana".

"É essencial que todas as alegações de privação arbitrária da vida, incluindo execuções sumárias, sejam investigadas de forma completa e imparcial e que os responsáveis sejam levados à Justiça em julgamentos que cumpram as normas internacionais", afirmou.

As autoridades do Mali devem igualmente garantir que as tropas, bem como os seus agentes ou aliados, respeitem o direito internacional em matéria de direitos humanos e o direito internacional humanitário, nomeadamente tomando todas as medidas possíveis para assegurar a proteção dos civis, segundo o alto representante. 

"A violência contra civis e pessoas fora de combate é estritamente proibida", reiterou.

Türk?referiu um episódio em que o seu "gabinete corroborou dois outros assassínios" cometidos por membros das forças armadas do Mali e por militares estrangeiros aliados, em que pelo menos 31 civis morreram.

"A 24 de setembro de 2023, 14 pastores foram alegadamente executados em Ndoupa, na região de Ségou, e a 05 de outubro, 17 outros civis foram alegadamente executados na aldeia de Ersane, na região de Gao. Não temos conhecimento de quaisquer investigações por parte das autoridades sobre estes alegados assassínios", concluiu.

Os golpes de Estado no Mali (24 de maio de 2021), Níger (26 de julho de 2023), Burkina Faso (06 de agosto de 2023) derrubaram governos eleitos democraticamente e conduziram ao poder juntas militares que acusaram as forças ocidentais, em particular a antiga potência colonial (França), de ingerência.

Em setembro, os três países, que tinham formado a Aliança dos Estados do Sahel (AES), acordaram reforçar a cooperação e negociaram acordos de auxílio militar, em caso de intervenção externa.

Os três países alegam também estar sob ataque de grupos extremistas islâmicos e criticaram os governos anteriores de terem falhado nessa matéria.

As tropas francesas foram expulsas e há o registo de elementos do grupo de mercenários russo Wagner no terreno.

A Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) tem criticado os governos dos três países e vários governantes admitiram a possibilidade de ações militares no terreno para repor a ordem democrática.

Devido às críticas e às sanções impostas, os três países anunciaram a saída da organização sub-regional.

Até há dois anos, Portugal teve militares no Mali, no quadro da cooperação internacional.

Leia Também: Mali. Plataforma da oposição diz ser "nula e sem efeito" saída da CEDEAO

Recomendados para si

;
Campo obrigatório