Meteorologia

  • 02 MARçO 2024
Tempo
13º
MIN 10º MÁX 14º

"Mudança". Hackers russos estão a rastrear evidências de crimes de guerra

A informação foi avançada pelo chefe do Serviço Estatal de Comunicações Especiais e Proteção de Informações da Ucrânia (SSSCIP), Yurii Shchyhol.

"Mudança". Hackers russos estão a rastrear evidências de crimes de guerra
Notícias ao Minuto

23:51 - 22/09/23 por Notícias ao Minuto

Mundo Guerra na Ucrânia

Os espiões russos estão a usar 'hackers' para atacar sistemas operativos das agências de autoridades judiciais na Ucrânia, numa tentativa de identificar e obter evidências relacionadas a supostos crimes de guerra russos.

A informação foi avançada pelo chefe do Serviço Estatal de Comunicações Especiais e Proteção de Informações da Ucrânia (SSSCIP), Yurii Shchyhol, em declarações à Reuters, esta sexta-feira.

Segundo Shchyhol, os 'hackers', que trabalham nas agências de inteligência nacionais e militares da Rússia, intensificaram campanhas de intrusão digital com o objetivo de atacar o gabinete do Procurador-Geral da Ucrânia e os departamentos que documentam crimes de guerra.

"Houve uma mudança de direção, do foco nas instalações de energia para as instituições judiciais que anteriormente não eram alvos com tanta frequência", salientou o chefe da SSSCIP, acrescentando que "a mudança, em direção aos tribunais, procuradores e unidades judiciais mostra que os 'hackers' estão a recolher provas sobre os crimes de guerra russos na Ucrânia" com vista a monitorizar as investigações.

Além disso, de acordo com Shchyhol, os 'hackers' russos - da agência de inteligência estrangeira da Rússia (GRU) e do Serviço Federal de Segurança (FSB) da Rússia - tentaram atacar agências governamentais e obter acesso aos seus servidores de e-mail.

A ofensiva militar lançada em fevereiro do ano passado pela Rússia na Ucrânia causou até agora a fuga de mais de 14,7 milhões de pessoas - 6,5 milhões de deslocados internos e mais de 8,2 milhões para países europeus -, de acordo com os mais recentes dados da ONU, que classifica esta crise de refugiados como a pior na Europa desde a Segunda Guerra Mundial (1939-1945).

A invasão russa - justificada por Putin com a necessidade de "desnazificar" e desmilitarizar a Ucrânia para segurança da Rússia - foi condenada pela generalidade da comunidade internacional, que tem respondido com envio de armamento para a Ucrânia e imposição à Rússia de sanções políticas e económicas.

Leia Também: Novo pedido de afastamento de juiz volta a adiar julgamento de iraquianos

Recomendados para si

;
Campo obrigatório