Meteorologia

  • 05 MARçO 2024
Tempo
MIN 8º MÁX 16º

Putin retribuirá em breve visita de Xi para continuar boas relações

O presidente russo deslocar-se-á à China nos próximos meses para se encontrar com o homólogo chinês, que visitou Moscovo em março passado, a fim de dar continuidade à boa dinâmica das relações bilaterais, anunciou hoje o Kremlin.

Putin retribuirá em breve visita de Xi para continuar boas relações
Notícias ao Minuto

14:16 - 12/07/23 por Lusa

Mundo rússia/china

claro que a visita de [o presidente russo, Vladimir] Putin [à China] está na ordem do dia, cujo calendário teremos ainda de determinar exatamente", disse o porta-voz da Presidência russa, Dmitri Peskov, na tradicional conferência de imprensa diária.

O senador russo Andrei Denisov, primeiro vice-presidente da Comissão para os Assuntos Internacionais, disse à agência noticiosa estatal TASS, a partir de Pequim, que o chefe de Estado chinês, Xi Jinping, tinha dito à presidente do Senado russo, Valentina Matviyenko, que esperava Putin em outubro próximo.

"É um momento absolutamente oportuno para manter a dinâmica do desenvolvimento das relações bilaterais russo-chinesas", afirmou o porta-voz do Kremlin.

Peskov reiterou que a interação entre Moscovo e Pequim nunca foi dirigida contra países terceiros, mas para beneficiar os povos russo e chinês.

O porta-voz do Kremlin sublinhou que a agenda da visita de Putin à China incluirá temas "já claros" e "bastante volumosos", como o comércio bilateral, a cooperação económica e a situação global e regional.

Peskov indicou que a Rússia e a China têm uma visão semelhante da essência das relações internacionais e que, por conseguinte, existem "boas perspetivas" para "um maior debate e uma interação construtiva".

Em fevereiro de 2022, pouco antes do início da invasão militar russa da Ucrânia, Putin e Xi Jinping proclamaram em Pequim a "amizade sem limites" entre os dois países.

Em março deste ano, durante a visita de Xi Jinping à Rússia, o líder chinês tentou convencer Putin da sua iniciativa de paz para o conflito na Ucrânia composto por 12 pontos e, segundo o Financial Times, advertiu o homólogo russo contra a utilização de armas nucleares.

No início de julho, e numa reação a estes dados divulgados, Peskov disse que não podia confirmar estes factos, mas afirmou que foram fornecidas muitas informações sobre a visita e que "tudo o resto é ficção".

A par da atual visita de Matviyenko à China, o primeiro-ministro russo, Mikhail Mishustin, também esteve recentemente em Pequim para retomar as consultas a este nível.

Entretanto, do lado chinês, o ministro da Defesa, Li Shangfu, visitou Moscovo em abril e, em maio, o enviado especial da China para a região euro-asiática, Li Hui, deslocou-se à capital russa para apresentar o plano de paz da China para a Ucrânia e as perspetivas de resolução do conflito.

Leia Também: Zelensky reclama "justiça" para defender uso de bombas de fragmentação

Recomendados para si

;
Campo obrigatório