Meteorologia

  • 22 JULHO 2024
Tempo
36º
MIN 18º MÁX 37º

Venezuela e UE procuram nova dinâmica nas relações bilaterais

A Venezuela e a União Europeia (UE) querem criar uma nova dinâmica nas relações bilaterais, anunciou segunda-feira o ministro dos Negócios Estrangeiros venezuelano, Yván Gil.

Venezuela e UE procuram nova dinâmica nas relações bilaterais
Notícias ao Minuto

07:53 - 28/03/23 por Lusa

Mundo Venezuela

Numa reunião com o secretário-geral adjunto do Serviço Europeu de Ação Externa, Enrique Mora, foram discutidas "propostas em diferentes áreas de cooperação e uma nova dinâmica de relações entre a Venezuela e a UE, sob o princípio do respeito mútuo e com uma visão de progresso", anunciou o ministro venezuelano na rede social Twitter.

O anúncio teve lugar após um encontro entre Mora e Gil, na Casa Amarilla, sede do ministério dos Negócios Estrangeiros venezuelano, no centro de Caracas.

De acordo com a imprensa local, durante o encontro foram debatidos temas relacionados com a cooperação económica e energética, entre outros.

Após o anúncio, a missão da Venezuela junto da União Europeia publicou uma mensagem na mesma rede social, destacando o espírito de cooperação bilateral.

"Com esse espírito de diálogo e cooperação, dia-a-dia, construímos pontes e fomentamos o entendimento entre o nosso país e a UE, para o bem-estar dos nossos povos", lê-se.

Em 17 de janeiro, após um encontro entre Yván Gil e os chefes das missões de vários países europeus em Caracas, entre eles o embaixador de Portugal no país, João Pedro Fins do Lago, Caracas e Bruxelas chegaram a um acordo para reerguer as relações bilaterais tendo como base o respeito mútuo.

"Tivemos uma reunião cordial com os chefes de missão dos países membros da UE em Caracas, uma oportunidade para um diálogo franco a fim de reconstruir relações mútuas no quadro do respeito pelo direito internacional, autodeterminação e cooperação", anunciou Yván Gil, após esse encontro.

No último fim de semana, por ocasião da 28.ª Cimeira Ibero-Americana, que decorreu em Santo Domingo, na República Dominicana, o ministro Gil condenou as sanções internacionais "criminosas", impostas pelos Estados Unidos e União Europeia, insistindo que é "uma prática neocolonial" que deve cessar imediatamente, por impedir o comércio e o desenvolvimento e por "violar sistematicamente os direitos humanos".

Leia Também: Maduro condecora embaixador chinês e destaca nível de relações

Recomendados para si

;
Campo obrigatório