Meteorologia

  • 08 FEVEREIRO 2023
Tempo
MIN 7º MÁX 12º

Oito em dez trabalhadores angolanos "culpam" Covid-19 por estagnação

A covid-19 teve impacto de modo relevante no mercado de trabalho angolano, com cerca de 82% dos inquiridos a afirmar que a doença afretou a sua vida profissional e pessoal e mais de metade a sentir estagnação na carreira. 

Oito em dez trabalhadores angolanos "culpam" Covid-19 por estagnação
Notícias ao Minuto

11:57 - 28/11/22 por Lusa

Mundo Angola

A pesquisa realizada pela empresa Kept People, consultora especializada em capital humano, confirmou que os efeitos da prolongada pandemia da covid-19 alteraram significativamente as motivações e o comportamento da força de trabalho no país. 

O estudo foi elaborado com base num questionário com os temas considerados mais relevantes, ao qual responderam 1.920 pessoas no período de abril a julho deste ano. 

Em termos profissionais, 54% dos inquiridos afirmaram ter sentido estagnação na progressão da carreira e mais de 80% referem ter sido apoiados pela sua empresa para poder ultrapassar as dificuldades da covid-19.

Contudo, 79% referem que neste contexto deveria ter sido dada maior atenção aos colaboradores em busca de soluções e 86% dos inquiridos refere que as empresas deverão melhorar a orientação da carreira dos seus colaboradores, de uma forma mais ajustada aos novos tempos.

O inquérito destaca, por outro lado, que face à vivência da covid-19, vários aspetos da vida das pessoas passaram a ser mais valorizados, com 41% dos inquiridos a referir ter passado a dar mais importância à sua saúde mental e bem-estar. 

"Na mesma linha, mas em menor percentagem, as respostas apontaram para o desejo de dar início a uma atividade de lazer (22%), passar a viajar mais (17%) ou em investir mais tempo a socializar (16%)", salienta-se na pesquisa. 

Para 32% dos inquiridos, atingir o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional é a medida para o sucesso profissional face à vivência deste período atípico, seguindo-se como os aspetos mais importantes o bem-estar e a saúde mental (com 22%) e uma maior flexibilidade na prestação do trabalho, incluindo a possibilidade de trabalho remoto (com 17%). 

A análise concluiu que as motivações e expetativas da força de trabalho em Angola sofreu fortes alterações após a vivência do período da covid-19, sendo que aspetos como a saúde mental e o bem-estar, a relação com os outros e a necessidade de ser ouvido na construção das soluções passaram a ser ainda mais relevantes após a vivência do período pandémico. 

A Kept People visa capacitar os responsáveis de capital humano das diferentes organizações, com ferramentas cientificamente suportadas que lhes permitam introduzir as transformações necessárias nas suas empresas.

Leia Também: Morreu general angolano 'Kamorteiro' que assinou acordos de paz em 2002

Recomendados para si

Seja sempre o primeiro a saber.
Sétimo ano consecutivo Escolha do Consumidor para Imprensa Online.
Descarregue a nossa App gratuita.

Apple Store Download

;
Campo obrigatório